José Carlos Vasconcelos vence Prémio Vasco Graça Moura

josa-carlos-vasconcelos

 

O Prémio Vasco Graça Moura – Cidadania Cultural foi atribuído, por unanimidade do Júri, ao jornalista, poeta e jurista José Carlos Vasconcelos, director do quinzenário “JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias” um raro exemplo de persistência na Imprensa portuguesa de âmbito cultural. 

 

 

Instituído pela Estoril Sol, em parceria com a Editora Babel, o Prémio, com periodicidade anual e no valor de 40 mil euros, foi criado em homenagem à memória de Vasco Graça Moura e é divulgado no dia em que celebraria o seu aniversário. 

 

 

Da acta do Júri, presidido por Guilherme d`Oliveira Martins, ressalta que depois de apreciados os nomes das várias candidaturas propostas, José Carlos Vasconcelos recolheu a unanimidade por ser uma “personalidade que se tem afirmado em todos os domínios em que tem exercido atividade como das figuras mais marcantes da vida portuguesa nos dias de hoje”. 

 

 

A acta do Júri valoriza a biografia de José Carlos Vasconcelos que “ilustra bem o papel muito relevante que sempre desempenhou e desempenha – como advogado e homem de leis, como poeta e escritor, como jornalista e interveniente ativo na valorização da língua, da literatura, das artes e ideia”. 

 

 

O Júri salientou “ especialmente, uma vez que se trata de um prémio de cidadania cultural, o papel desempenhado com grande generosidade e determinação, inteligência e elevado sentido profissional, pelo premiado na fundação, direcção e manutenção do “JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias». 

 

 

“Trata-se de uma iniciativa única – destaca ainda o Júri – pela permanência e regularidade, que projeta a cultura e a língua portuguesa no mundo, com uma qualidade digna de reconhecimento”. 

 

 

É vasto o currículo do vencedor desta segunda edição do Prémio Vasco Graça Moura – Cidadania Cultural. 

 

 

José Carlos Vasconcelos nasceu a 10 de Setembro de 1940, e muito cedo iniciou a atividade jornalística e cultural na Póvoa do Varzim. Dirigiu duas páginas literárias e publicou, em 1960, o primeiro livro de poemas. Licenciou-se em Direito em Coimbra, onde foi destacado dirigente associativo, presidente da Assembleia Magna da Associação Académica, chefe de redação da Via Latina, fundador e presidente do Círculo de Estudos Literários, actor do TEUC, dirigente cineclubista, chefe de redação da revista Vértice. 

 

 

Já licenciado, veio para a redação do Diário de Lisboa, foi dirigente sindical e, nesse âmbito, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa. Como advogado, defendeu presos políticos e jornalistas. 

 

 

Após o 25 de Abril esteve na direção do Diário de Notícias e da informação da RTP, onde fez o primeiro programa literário, “Escrever é Lutar”. Foi comentador político na Televisão, tendo pertencido, ainda, ao seu Conselho de Opinião. Foi um dos fundadores de O Jornal e seu director. Foi, também, fundador e director editorial da revista Visão, presidiu à assembleia geral do Sindicato e do Clube dos Jornalistas, bem como à direcção deste último. 

 

 

Participou em iniciativas cívicas contra a ditadura e integrou, logo após o 25 de Abril, a Comissão do Livro Negro sobre o Regime Fascista, no âmbito da Presidência do Conselho de Ministros. Foi deputado à Assembleia da República e presidiu à Comissão Parlamentar Luso-Brasileira. Pertenceu à Comissão de Honra dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil. Foi membro do Conselho Geral da Fundação Calouste Gulbenkian e do Conselho das Ordens Honoríficas Nacionais, e comissário do Encontro Internacional Língua Portuguesa, promovido pela União Latina. É ainda membro do Conselho Geral da Universidade de Coimbra, dos conselhos consultivos para a Língua Portuguesa da Fundação Gulbenkian e do Instituto Camões. 

 

 

Tem dez livros de poesia, três infanto-juvenis, um de entrevistas (Conversas com José Saramago) e um sobre Lei de Imprensa/ Liberdade de Imprensa. Entre outras distinções, foram-lhe atribuídos todos os prémios de carreira do jornalismo português e o Prémio Cultura, da Fundação Luso-Brasileira, na sua 1ª edição. 

 

 

É membro (sócio correspondente) da Academia Brasileira de Letras e da Academia das Ciências de Lisboa. 

 

 

O Júri que atribuiu o Prémio Vasco Graça Moura, além de Guilherme D`Oliveira Martins, foi integrado por Maria Alzira Seixo, José Manuel Mendes, Manuel Frias Martins, Maria Carlos Gil Loureiro, Liberto Cruz e, ainda, por José Carlos Seabra Pereira, em representação da Babel e Lima de Carvalho e Dinis de Abreu, pela Estoril Sol. 

 

 

Nos termos do Regulamento, o Prémio Vasco Graça Moura “visa distinguir um escritor, ensaísta, poeta, jornalista, tradutor ou produtor cultural que ao longo da carreira – ou através de uma intervenção inovadora e de excepcional importância -, haja contribuído para dignificar e projectar no espaço público o sector a que pertença”. 

 

 

A cerimónia da entrega do Prémio será anunciada oportunamente.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6395 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.