José da Câmara sobre si próprio: “um tipo simpático, educado, com respeito pelo próximo e que às vezes até canta qualquer coisa de jeito…”

 

 

‘Estrelas-Guia’ é o mais recente disco de José da Câmara, com selo da Sony Music Portugal, constituído por 14 faixas.

Neste trabalho destacam-se três convidados com que fez duetos: Teresa Câmara (A Estrela da Minha Vida), Rodrigo (Horas desta Vida) e António Pinto Basto (Como Nasceu o Fado).

Os músicos que o acompanharam oram Luís Petisca, Armando Figueiredo e Vasco Sousa. Contou com participações especiais de Jaime Santos, Dinis Lavos e Diogo Quadros.

Estrelas-Guia’ é o mais recente disco de José da Câmara. Quem são estas estrelas que o guiam?

A minha família e Amigos.

Tem como convidados Teresa da Câmara, Rodrigo e António Pinto Basto. Qual a importância de cada um deles na sua vida e o porquê da escolha deles para os temas em questão?

Todos eles foram, são e serão sempre importantes. Lá vamos cair outra vez na palavra Amigo, e também por respeito pela carreira dos dois mais velhos e esperança na carreira da mais nova.

Quanto tempo demorou todo o processo e gravação deste disco e quais foram os maiores desafios?

Desde que comecei a pensar num novo disco , até ele estar acabado, demorou 3 anos. O maior desafio foi encontrar um fio condutor. As estrelas guia.

A escolha de repertório foi difícil? Há algum tema que lamente aqui não estar?

É sempre difícil escolher o repertório mas quando encontramos o fio condutor torna-se mais fácil. Acho que estão os temas certos por isso não lamento a ausência de outros.

50 anos de vida e 30 de carreira. Quando começou a cantar esperava atingir esta marca?

(risos) Quando temos 20 anos achamos que um homem de 50 é um velho! Por isso nunca pensei cantar até esta idade. Agora que cá cheguei sinto que tenho imenso para dar!

Sente-se reconhecido?

Penso que sim.

É também radialista, sendo uma das imagens da Rádio Sim. Se tivesse de analisar o fadista/cantor José da Câmara, como o definiria?

Oh Diabo! Pergunta difícil…! Talvez … um tipo simpático, educado, com respeito pelo próximo e que às vezes até canta qualquer coisa de jeito…

Quais os temas que são obrigatórios em todos os espectáculos?

O que começa: “estamos aqui” deste disco, que define o nosso estado de espírito quando estamos em palco e o que termina o Espectaculo: “canto o fado” uma forma de acabarmos todos a cantar.

O apelido Câmara dá mais responsabilidade ou orgulho?

Orgulho pelo Pai, Avô,bisavô, trisavô…. e por aí fora. Todos eles motivo de orgulho e administração.

Com novo disco, o que está a ser preparado em termos de espectáculos? Quais os espectáculos que já podem ser anunciados?

Neste momento estou na fase de promoção estando só agora a começar a planear o novo Espectáculo.

Numa única palavra como define o percurso?

Sinuoso.

Este é o seu melhor disco?

É.

Quais os poetas que mais gosta de cantar?

São tantos… mas neste momento estou mais calhado com o José Luís Gordo, Daniel Gouveia e Ana Vidal.

Qual a mensagem que deixa aos nossos leitores?

Obrigado por terem lido a entrevista e já agora oiçam o disco e já agora um forte abraço.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6331 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.