José Gonçalez: “Amália foi das maiores artistas e das melhores vozes do mundo, de sempre!”

Fotografia: Diogo Nora

Como já aqui demos conta, o Brejão recebeu, ontem, um espectáculo de homenagem a Amália Rodrigues.

José Gonçalez foi um dos cantores que integrou o elenco e também quem idealizou o espectáculo, tendo prestado declarações ao Infocul.pt antes do concerto iniciar.

Explicou que a melhor forma de homenagear Amália é “cantando-a e ao estares a cantá-la, estás a celebrá-la. Há um filme que gosto particularmente, um filme de animação que é o Coco, que se baseia, e tem por filosofia, que enquanto alguém se lembrar de nós e enquanto alguém tiver uma fotografia nossa numa prateleira, não morrerás. Enquanto uma pessoa se lembrar de ti, continuas vivo. Neste caso, claro que há milhares de pessoas no mundo inteiro que continuam a celebrar e a manter Amália viva, e a melhor forma é esta“.

Realçou que “às vezes era bom que se parasse um bocadinho para se pensar: Amália foi das maiores artistas e das melhores vozes do mundo, de sempre! Mas foi também uma das artistas mais à frente do seu tempo. Hoje vamos ter aqui um espectáculo com 28 temas, apenas da Amália, e todos eles estão actuais. Podiam ter sido feitos hoje! E muitos deles já têm muitos anos, porque há aqui temas dos anos 40, 50, 60.. Portanto temos de olhar para Amália em toda a sua dimensão. Algumas pessoas têm tido esse problema de não olhar para Amália em toda a sua dimensão. Amália era uma artista maior, que cantava todas as músicas, de todos os géneros, uma fadista impressionante, a melhor de sempre sem dúvida. Mas era uma cantora de todos os outros estilos, de todas as músicas. Era uma artista sem nenhum tipo de censura: estética, filosófica, ideológica. Era uma pessoa aberta a todos os tipos de arte, era preciso era ser arte. E é assim que devemos olhar para Amália: não como uma cantora de fado, que o foi e brilhante, mas como uma mulher da cultura do mundo inteiro e de todas as artes“.

 

Disse-nos ainda que “este espectáculo foi proposto por mim, é uma ideia minha. Estávamos a fazer o ‘Em Casa d’Amália’, na Rua de São Bento, em Lisboa, e quando percebemos que a primeira série ia terminar perto do verão, fazia todo o sentido e foi isso que propus à RTP e à fundação: ‘Por que não fechar este ciclo, desta forma extraordinária?’. 100 anos da maior referência de sempre da cultura portuguesa e em vez de ser na sua casa em Lisboa, ser na sua casa de campo, de verão. E essa foi a ideia, trazer as pessoas aqui ao Brejão e o resultado é que o espectáculo está esgotado há dois dias“.

 

Recordar que José Gonçalez tem apresentado semanalmente o programa “Em Casa D’Amália’, na RTP1, no qual recria as famosas tertúlias da fadista.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6769 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.