Leonardo Mathias sente o grupo “preparado, moralizado, unido e bastante satisfeito por poder honrar os 45 anos de história do Aposento da Moita em praça, encerrando-se com 6 toiros”

O Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Moita pega, amanhã, em solitário na 3ª corrida da Feira da Moita 2020, na Praça de Touros Daniel do Nascimento. Este ano celebra-se o 45º aniversário do grupo e o cabo Leonardo Mathias concedeu entrevista ao Infocul para falar sobre a Feira e este ano tão importante (em todos os sentidos).

 

Tendo em conta que estamos a meio de uma pandemia, como tem sido a vossa preparação para a feira taurina da vossa terra?

Desde já agradecer o convite à entrevista, é sempre um prazer partilhar o que acontece dentro do nosso grupo.

No início do ano realizámos 2 corridas na digressão ao México, em Mérida dia 1 de Janeiro e em Peto dia 2 de Janeiro, depois iniciámos a preparação intensa da temporada com treinos e ferras pois íamos ter desafios grandes e importantes. Dia 7 de Março pegámos ainda num Festival em Alcochete que deu para dar oportunidades aos mais novos.

No meio deste estado de pandemia, começa a temporada em Julho e por isso voltamos a preparar possíveis corridas que pudéssemos vir a ter. Realizámos 2 treinos antes da Corrida do Campo Pequeno e agora outro no fim-de-semana passado para preparar a quinta feira da Moita. Associado a esta retoma das corridas e da temporada dedica-mo nos também à parte física com treinos em grupo inclusive para não perder a forma e espírito de grupo.

 

Sente o grupo preparado para a corrida de 5ª feira para enfrentar 6 toiros? Sente o peso da responsabilidade?

Sinto sim o grupo preparado, moralizado, unido e bastante satisfeito por poder honrar os 45 anos de história do Aposento da Moita em praça encerrando-se com 6 toiros. Também temos o orgulho de ter ao nosso lado alguns antigos cabos e forcados de referência na trincheira connosco que certamente será uma noite inesquecível com muita emoção.

O peso da responsabilidade sentimos sempre que vestimos a jaqueta do grupo e sempre que entramos dentro de praça. Claro que com uma data de aniversário há maior responsabilidade e maior importância na actuação do grupo, contudo estamos completamente focados em chegar ao sucesso na corrida e a poder orgulhar todos aqueles que pelo grupo passaram e entregaram as suas vidas.

Qual o apelo que o Cabo faz a todas as gentes da Moita e arredores para ir assistir às corridas da feira?

Penso que a mensagem é simples, devemos apoiar a tauromaquia este ano incondicionalmente e mostrar que o país também vive da sua cultura, tradição, paixão às festas e aos toiros. O cartel de quinta-feira está rematado e da nossa parte, do Aposento da Moita podem esperar um grupo de amigos verdadeiro completamente unidos para poder honrar o grupo nesta data especial.

A feira da Moita, este ano, não será vivida em pleno, devido à pandemia. Será por isso ainda mais importante que os aficionados esgotem todos os espetáculos no Daniel do Nascimento?

Sem dúvida, não havendo festas pelas ruas nem largadas, deve haver maior união e adesão às corridas na Moita.

 

Como tem sido a temporada até ao momento?

Como disse anteriormente pegamos no México 2 corridas, em Alcochete um festival para dar oportunidades aos mais novos e construir grupo e pegamos dia 27 de Agosto no Campo Pequeno. Foi a primeira corrida “pós Covid” com grandes mudanças mas em que o sentimento e a entrega ao grupo foi a mesma e penso ter corrido bem.

De futuro teremos a corrida de quinta-feira, em que o sonho de qualquer forcado do nosso grupo é poder fardar, pegar ou ajudar na nossa praça e na nossa terra, é um sentimento único e inexplicável.

 

Este ano houve novas entradas no grupo? Como está o grupo nesta fase?

Este ano houveram várias entradas, cerca de 8 jovens que entraram no grupo o que é bastante positivo, num ano normal entram 2 a 3 forcados. O grupo está numa boa fase, a consolidar uma geração e já a puxar pela próxima ao ir tentando rodar alguns forcados mais novos que se têm destacado e dado prioridade máxima ao grupo e ao sonho de querer ser forcado. Existe união e amizade são a base para que tudo dentro de praça evolua bem. Neste ano de aniversário tivemos também algum apoio dos antigos elementos o que nos trouxe uma motivação extra e também maior responsabilidade para as corridas do grupo.

 

O grupo além de pegar em solitário a corrida de quinta-feira, estará também presente na novilhada popular de dia 18.
Os cartéis são os seguintes:

Dia 17 – 22:00 horas – Corrida de Toiros – Comemoração do 45º Aniversário da Fundação dos Forcados Amadores do Aposento da Moita

Cavaleiros: António Telles, Filipe Gonçalves, João Telles, Andrés Romero, António Prates e Tristão Ribeiro Telles (amador)

Forcados: Aposento da Moita

Ganadaria: Mata-o-Demo

 

Dia 18 – 22:00 horas – Novilhada Popular

Cavaleiros Praticantes: Francisco Núncio e António Núncio

Forcados: Aposento da Moita

Novilheiros Praticantes: Paula Santos, Yeray Gomez, Duarte Silva e Filipe Martinho

Ganadarias: Palha, Branco Núncio, Ascensão Vaz, Canas Vigouroux, Falé Filipe e Calejo Pires

Entrevista: Diogo Nora
Coordenação e Edição: Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.