Linda Martini: “Sirumba” é hoje apresentado no Coliseu dos Recreios

Os Linda Martini nasceram em 2003 e são uma banda de rock.”Sirumba” é o seu novo álbum e já se encontra à venda. Este sábado, 02 de Abril, actuam no Coliseu dos Recreios em Lisboa.

 

Este é o sucessor do aclamado “Turbo Lento”, de 2013. Sinal do amadurecimento enquanto pessoas e enquanto banda, “Sirumba” mostra letras mais intimistas, menos distorção e pé no pedal. Antes do lançamento do cd e do primeiro concerto do grupo na mítica sala do Coliseu dos Recreios, falámos com Cláudia Guerreiro ( baixo).

 

 

A receptividade é boa e as pessoas estão a gostar. As pessoas que compraram o digital tiveram direito a duas faixas. Vamos ver como reagem ao resto“, conta Cláudia Guerreiro sobre a receptividade do público ao novo cd. Os primeiros singles conhecidos foram: Sirumba, Unicórnio de Santa Engrácia e Preguiça. Estas músicas podiam ser ouvidas em aplicações como o spotify ou o iTunes.

 

 

Longe vão os tempos em que André Henriques, Cláudia Guerreiro, Hélio Morais e Pedro Geraldes jogavam sirumba no quadrado desenhado no chão da Escola Preparatória de Massamá. Os amigos juntaram-se e começaram a tocar uma música do agrado de todos. Mas como tudo começou? “Foi começar a tocar com os amigos e marcar concertos. É assim que todas as bandas começam. São amigos que tem coisas em comum e começam a fazer músicas“, explica.

 

 

Passaram-se dez anos desde o lançamento do primeiro disco, “Olhos de Mongol”. “Turbo Lento” foi o primeiro álbum que o grupo lançou com a nova editora, a Universal Music. “É bom mas para nós é a mesma música. Estamos com eles porque eles gostam da nossa música e fazemos parte de uma equipa de trabalho muito boa. É sempre bom trabalhar com gente porreira. Assinámos o contrato que queríamos“. A Universal Music é uma das maiores editoras musicais do planeta e da sua lista de cantores/grupos fazem parte nomes como: Nélson Freitas, Ariana Grande ou Ana Moura.

 

 

O disco anterior entrou, automaticamente, no segundo lugar do top de vendas. Estiveram três semanas seguintes, no top 5 de vendas com o disco “Casa Ocupada”.

 

 

Os Linda Martini são uma das bandas mais acarinhadas pelos portugueses, uma das mais relevantes a nível nacional e das mais aclamadas pela crítica. De onde surgiu o nome para a banda?

 

 

É um nome como qualquer outro. É um nome de uma pessoa. Era o nome de uma amiga italiana que estava cá, em Portugal. Todos gostávamos, menos o André mas depois conseguimos convencer que era o nome ideal“, explica, entre risos, a origem de um nome tão invulgar para a banda.

 

 

Como explicam a relação com o público? “Não sei dizer. Não há uma receita mágica. As pessoas gostam de ver um concerto verdadeiro. Estamos a fazer aquilo a sério. As pessoas sentem isso e acabam também por dar o concerto. Se calhar é por causa disso que as pessoas gostam. As pessoas gostam de fazer parte daquilo“, conta.

 

 

É a ansiedade de apresentar as músicas pela primeira vez. É muito diferente de estar a gravar em estúdio. A primeira vez é fazer tudo na ponta dos dedos. O coliseu é uma sala mítica. Para já ainda não estou a sentir o peso disto pois temos estado sempre a correr“, Cláudia Guerreiro e os restantes colegas têm estado a muito ocupados a dar entrevistas a vários meios de comunicação social para promoverem o novo álbum e o primeiro concerto numa das mais míticas salas de espectáculos da cidade de Lisboa.

 

 

A digressão da banda começa no Coliseu de Lisboa e prolonga-se por várias salas do país, com uma passagem pelo Primavera Sound do Porto no início de Junho. “Está marcado para dia 11 de Junho, no Porto. Já tocámos no Alive, Paredes de Coura, etc. Temos uma tour de auditórios marcados para Setembro e Outubro“, conta Cláudia Guerreiro. Mais informações e curiosidades sobre o grupo podem ser encontradas na página do facebook dos Linda Martini.

 

 

No dia 31 de Maio de 2014 participaram numa homenagem a António Variações no Rock in Rio Lisboa, juntamente com outros nomes da música Portuguesa como Deolinda e Gisela João.

 

Sábado, pelas 21:30, o Coliseu dos Recreios corre o risco de vir abaixo. O alinhamento está preparado e haverá suficientes argumentos para não perder este concerto que se adivinha marcante. Os bilhetes estão à venda nos locais habituais e custam 12 euros.

 

 

A baixista do grupo deixa um último recado:” Temos o disco a sair. Espero que vão ao nosso concerto pois adorava-mos ter a sala esgotada. E em relação ao cd, é correr para as lojas!”.

 

 

“Sirumba” já está à venda nas lojas de todo o país e o Coliseu dos Recreios será o primeiro palco onde poderá ouvi-lo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.