lisboa soa

 

 

De 14 a 17 de Setembro, o Lisboa Soa vai regressar à Estufa Fria. Este evento vai desafiar todos para que se pare e escute, para se aprofundar a reflexão sobre o som e como podemos criar pontes num mundo onde existem muitos muros.

 

 

 

A edição deste ano coloca-nos a questão “O que é preciso para reduzir a distância entre pessoas ou culturas diferentes?”. Esta questão vai tentar ser respondida durante o programa deste evento que se vai instalar este ano na Estufa Fria para quatro dias de descoberta. Vão ser workshops, instalações site-specific, performances e concertos de artistas nacionais e internacionais que vão explorar as características físicas do espaço envolvente, levando a audiência a fruir e aprender com o ambiente acústico que nos rodeia.

 

 

 

O festival vai abrir no dia 14 com a “Prática das Cordas”. Esta performance de Adriana Sá e John Klima combina cordas, longos arames esticados no espaço e sons pré-gravados.

 

 

 

Depois, haverá a estreia de Mileece, sound artist e designer ambiental inglesa. Esta artista vai usar a arte e tecnologia para instigar e animar a conexão humana. No Jardim da Estufa Fria poderá ser vista uma orquestra com os sons harmónicos que traduzem impulsos bioelétricos aplicados às folhas das plantas.

 

 

 

Já o destaque do dia 15 de Setembro vai para os americanos Jen Reimer e Max Stein. Esta dupla vai ex explorar a ressonância e a natureza acústica dos espaços urbanos. Nesta apresentação a trompa vai ser tocada ao vivo e posteriormente processada com gravações de campo que vai criar uma experiência imersiva no som e no espaço.

 

 

 

No mesmo dia, André Gonçalves e a sua “Música Eterna” vai levar o público numa viagem sonora de contemplação.

 

 

 

No sábado, o argentino Juan Sorrentino vai apresentar “Motto”. Os artistas vão ter consigo mochilas de som, equipadas com microfones, que, amplificando os sons da Estufa Fria, irão transformar os passos, os ramos e o vento nas árvores em instrumentos. Já a pauta vai ser  traduzida num mapa físico, que será delineado por cada um dos movimentos dos artistas.

 

 

 

O dia 16 de Setembro vai terminar com a estreia de Agapea Aka SaSa Spacal, que vai apresentar o seu “Sonic Close-up com grilos ao vivo Acheta Domesticus”, onde podemos encontrar um diálogo profícuo entre as pessoas, animais e tecnologia.

 

 

 

Os portugueses Sonoscopia vão apresentar neste dia “Fauna”. Esta é uma recriação feita a partir de uma estrutura electroacústica onde as fontes sonoras vão ser distribuídas pelo espaço físico da Estufa Fria.

 

 

 

Para além destes concertos, vai poder participar em vários workshops e interagir com as instalações sonoras site-specific dos artistas Adriana Sá & John Klima, Cláudia Martinho, João Ricardo ou a colaboração de Jen Reimer & Max Stein com Juan Sorrentino.

 

 

 

O Lisboa Soa está integrado nas festas da cidade Lisboa na Rua 2017. Na edição anterior deste evento, estiveram reunidas 6000 pessoas no Jardim da Tapada das Necessidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.