Fotograma ensaio de leitura

 

 

Depois do encerramento do Teatro da Cornucópia, Luis Miguel Cintra apresenta no dia 01 de Abril, às 21:00, no Pólo Da Junta do Afonsoeiro, no Montijo. O espectáculo “Um D.João Português”, a partir da tradução portuguesa divulgada no Teatro de Cordel Setecentista. Esta obra-prima de Moliére, será construído ao longo de 2017 em quatro cidades, reunindo um conjunto de actores ligados ao percurso da Cornucópia e tem como objectivo partilhar o processo de trabalho com grupos de espectadores locais.

 

 

Depois de um percurso de 43 anos à frente do Teatro da Cornucópia, Luis Miguel Cintra regressa ao trabalho com um grupo de actores ligados à companhia que entretanto terminou. Ao longo de 2017, o grupo visitará quatro cidades e, em cada uma delas, partilhará com os espectadores as diferentes fases de preparação de um espectáculo. 

 

 

“Um D. João Português” parte de uma tradução portuguesa anónima da peça de Molière, que se vendeu nas ruas como literatura de cordel. Na versão trabalhada por Luis Miguel Cintra, D. João e Esganarelo surgem como marginais da sociedade, sempre em fuga, quase como num road movie. 

 

 

Tudo neste espectáculo a que chamei ‘Um D. João Português’ é imperfeito, ou melhor, inacabado, bastardo, hesitante, incerto“, afirma o encenador. Como a vida? Eis a pergunta que assoma inevitavelmente, quando o objectivo é, durante um ano, colocar este grupo em permanente viagem e trabalho, numa busca que Luis Miguel Cintra deseja partilhar com o público: “Queremos que os espectadores sejam cúmplices deste jogo, desta mistura que é igual a como funcionam as nossas cabeças nos seus melhores momentos. Para nós o Teatro é como um campo de treinos do desporto favorito dos seres humanos, aquele que o distingue dos animais: pensar. E aceitar ou não, ser moral e ser feliz.”

 

 

No final desta peça, o objectivo consiste em regressar a cada um dos locais para apresentar a sequência total, o que se prevê que aconteça a partir de Janeiro de 2018.

 

 

Faz parte também do projecto ser partilhado por entidades de importância e natureza muito diferentes. Montijo será a primeira cidade visitada, com o apoio da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia da União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro, estando em negociações qual será o segundo local; o terceiro bloco será apresentado em Viseu, no Teatro Viriato (um teatro com larga prática de projectos de criação que aceitou tornar-se co-produtor de “Um D. João Português”) e o quarto prevê-se que seja em Guimarães.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.