Melech Mechaya - Aurora - Grupo

 

 

“Aurora” é o novo disco dos Melech Mechaya e conta com convidados de luxo: Filipe Melo, Lamari de Chambao. “Aurora” foi misturado por Tony Harris (que trabalhou com grupos como R. E. M., Sinead O’Connor e The Verve), foi masterizado por Dave Blackman (Coldplay, entre outros), e editado internacional pela histórica editora italiana Felmay (Portugal incluído).

Em entrevista ao Infocul, a banda aborda o disco “mais inovador” que fizeram até hoje, também a escolha dos convidados e as datas já confirmadas para apresentarem o novo disco.

 

 

O que transmite este “Aurora” em termos de mensagens e sonoridades para o público?

Este disco transmite um leque de sonoridades bastante rico e diverso, e cremos que representa uma nova (e mais profunda) maneira de ouvir Melech Mechaya. É, do nosso ponto de vista, o melhor disco que já fizemos!

 

 

Quais os maiores desafios na produção deste disco?

Este disco apanhou uma fase de fim de ciclo de Melech, que rematou 4/5 anos espectaculares. Os discos “Aqui Em Baixo Tudo É Simples” (2011) e “Gente Estranha (2014) foram editados internacionalmente, e durante estes anos a estrada foi praticamente ininterrupta. Cimentámos o espectáculo e partilhámos a nossa música com públicos de muitos países, e no fim deste processo saímos algo saturados. Quando começámos a pré-produção do “Aurora” ficámos diversas vezes bloqueados, confusos com as direcções que as novas músicas mostravam. Foi preciso a digressão terminar para darmos espaço às músicas e a nós próprios, e quando fizemos as pazes com a ideia de que este disco seria bastante diferente dos anteriores, as músicas floresceram e o processo tornou-se bastante mais fluído. Fomos muito selectivos na escolha do alinhamento (ficaram de fora músicas suficientes para outro disco), e muito perfeccionistas na produção do mesmo.

 

MM

 

Contam com três convidados: Filipe Melo, Noiserv e Lamari de Chambao. Qual o critério para a escolha? O que trazem os convidados de suplemento à música de Melech Mechaya?

A ideia de convidarmos o Filipe surgiu por inerência à ideia de incluirmos um piano no tema “Aurora”. Foi automático! Nós queríamos acentuar o ambiente bucólico e quase decadente que a música tem, e o Filipe fez exactamente o que imaginámos… mas melhor. A “Un Puente” sempre foi uma música que nos transmitiu uma ideia ibérica, uma sonoridade que desse relevo aos pontos de contacto entre Portugal e Espanha, e sempre a quisemos cantada em espanhol. Já conhecíamos o trabalho da Mari em Chambao, e ela transformou a música na canção que é hoje. Além de uma excelente cantora, é uma pessoa maravilhosa! O David (Noiserv) surgiu já na fase final das gravações, pois a “Boom” foi a última música que terminámos. Desde logo quisemos uma voz grave e rica, e o que o David fez com a música deixou-nos boquiabertos. É sem dúvida dos temas mais singulares da nossa discografia!

 

MM

 

Comparativamente à discografia anterior, o quem traz este disco de novo/diferente?

Traz sobretudo momentos que não têm paralelo nos outros discos, e até agora as pessoas têm ficado muito (e positivamente) surpreendidas. É um disco com vários mundos que se descobrem um pouco mais de cada vez que se ouve. Estamos muito orgulhosos com o “Aurora”.

 

 

Como está a música Klezmer em Portugal?

Apesar de nos catalogarmos como uma banda de música klezmer, pois é o estilo que está na génese dos Melech e o maior constituinte do nosso ADN, cada vez menos pensamos em nós como tal. Daquilo que nos parece, nos últimos anos apareceram alguns bons grupos que abordam este repertório (como os Osmavati, por exemplo), mas não nos parece que haja um movimento como houve noutros estilos.

 

MelechMechaya-Foto3

 

As vossas digressões costumam ser longas e abrangentes em termos de países. O que já está confirmado para apresentação do “Aurora”?

Por agora, Portugal (a nossa casa) e Espanha (a nossa segunda casa). O resto… é estarem atentos!

20 Julho – Ciudad Rodrigo (Espanha) – Fiestas de Verano

6 Agosto – Lubián (Espanha) – Festival Folk-Rock nas Portelas

14 Agosto – Aliseda (Espanha) – Fiestas de Verano

30 Setembro – Almada – Fórum Romeu Correia

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6785 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.