Ministro da Cultura marcou presença na inauguração da exposição “A vida em nós” de Luís Vieira- Baptista

 

 

 

Com o patrocínio da Estoril Sol, a cerimónia de inauguração da exposição de pintura “A vida em nós”, da autoria de Luís Vieira-Baptista, contou com a presença do Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes.

 

 

Mais de duas centenas de pessoas compareceram no Centro Cultural de Cascais para assistir a este evento cultural que contou, ainda, com a apresentação da nova versão da peça musical DENEB, do compositor Pedro Teixeira da Silva, dirigido pelo maestro Nikolay Lalov. Sob a curadoria de Conceição Vieira Coelho, esta mostra individual de pintura estará patente até 18 de Novembro, sendo a entrada livre.

 

 

Diariamente, prisioneiros de compromissos a que apelidamos de inadiáveis, esquecemo-nos de Nós! De onde viemos, de quem somos e para onde vamos. Nesta pausa, o artista, Luis Vieira-Baptista, convida-nos a percorrer caminhos de Transcendência, numa atmosfera mística, onde a presença marcante de símbolos e formas precisas nos conduzem na procura da nossa essência e no despertar de questões existenciais, desmistificando verdades ocultas na mancha visionista. O espectador que espera mais do que a observação de um quadro pendurado numa parede, tem aqui a oportunidade de interagir e estimular a imaginação, vivenciando uma realidade memorável, no universo sensorial do próprio artista.

 

A Arte é a expressão da essência do ser

Conceição Vieira Coelho – Curadora

 

 

Numa introdução sobre a exposição, Luis Vieira-Baptista evoca Eckhart Tolle. “O pensamento e a linguagem criam uma dualidade aparente, uma entidade separada, quando na realidade não é isso que se passa. Na verdade, nós não somos alguém que está consciente da árvore ou da ave que acabámos de ver, do pensamento, do sentimento ou da experiência. Somos a perceção ou a consciência onde, e através da qual, aquelas coisas surgem”.

 

O mais importante de tudo, e que serve de mote a esta exposição, é constatarmos que a consciência pura é a Vida antes de ela se manifestar e, uma vez que nós somos essa consciência, a Vida olha para o mundo físico através dos “nossos” olhos. Então, quando nos reconhecemos como sendo a consciência, revemo-nos em todas as coisas”.

 

Aquilo que ouso exprimir através dos trabalhos que agora vos apresento na Fundação D. Luís I é, sem tirar nem pôr, a interpretação possível, enquanto pintor, do que acima transcrevo. Não sou ilustrador de ideias, mas sim um fazedor de perguntas com recurso ao visionismo que as sincronias do acaso me proporcionam”, explica Luis Vieira-Baptista.

 

E prossegue: “As minhas telas não almejam responder a dúvidas, pois não é esse o propósito da Arte. Mas as perguntas surgidas pelas dúvidas, são o meu mote criativo. Será o espectador, se assim o entender, a dar as suas próprias respostas, na realidade as únicas que interessam, pois ao não virem de terceiros, permitem que as respostas surjam com recurso à sabedoria e não ao conhecimento”.

 

Muito do que aqui apresento é um livro aberto do que me vai na alma, uma “exposição'” no seu sentido mais literal. Não fujo a comprometimentos e chego mesmo a acreditar, pois há sempre uma alta percentagem de optimismo e romantismo na minha obra, que haja pessoas a ler estas palavras, pois não sendo elas prioritárias neste contexto são, contudo, complementares para percebermos o ‘making-of’ das coisas…”.

 

Se é uma das pessoas que lê estes catálogos, fique a saber que procuro não desperdiçar os momentos que a vida me dá, ao permitir-me ser um observador do que me rodeia, pleno de consciência que o agora é irrepetível. Tem sido um privilégio partilhar a vida que me foi dada viver, com seres humanos tão especiais como aqueles com que tenho tido a sorte de conviver”.

 

E conclui: “Como qualquer artista, tenho muita dificuldade em eleger as minhas obras porque são todas, fruto da mesma entrega, embora reconheça que haja umas, mais próximo do que outras, da ideia original. Para resolver este problema, nada melhor do que contar com a ajuda da minha amiga Conceição Vieira Coelho, para a curadoria desta mostra, pois sem a sua sensibilidade e empenho, a coerência de “A vida em nós” não seria tão eloquente e significativa. Obrigado São!”.

 

Patrocinada pela Estoril Sol, a exposição “A vida em nós” está patente, até 18 de Novembro, no Centro Cultural de Cascais. Sob a curadoria de Conceição Vieira Coelho, esta mostra de pintura de Luís Vieira-Baptista conta com o apoio da Câmara Municipal de Cascais e da Fundação D. Luis I, inserindo-se na programação do Bairro dos Museus. A entrada é livre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.