Museu do Oriente apresenta “O Olhar da Sibila – Corporalidade e Transfiguração”

Legenda Mãe e filha, da série The Passanger, Adriana Molder, 2008 (1)-mi...

 

 

A 05 de Abril o Museu do Oriente inaugura a exposição temporária “O Olhar da Sibila – Corporalidade e Transfiguração”. Neste dia a entrada é livre. Esta exposição estará patente até 18 de Junho e a entrada custa 6€.

 

 

“O Olhar da Sibila – Corporalidade e Transfiguração” propõe um olhar transversal sobre a mutação do corpo, mas também sobre uma ideia de corporalidade enquanto objecto, por vezes abstracto, mas central na reflexão e criação dos artistas dos séculos XX e XXI, conforme ilustrado nas obras expostas. Desta selecção, destaque para um conjunto de dezoito desenhos e pinturas de Arpad Szenes e Vieira da Silva, nunca antes expostos em conjunto fora da fundação homónima, e que constituem um núcleo singular dedicado a esta influente dupla de artistas, cuja obra mantém uma permanente actualidade. Ou ainda, a revisitação da obra, “Madame Récamier Segundo David”, de 1989, da autoria de Rui Sanches, ou os desenhos de Joana Villaverde.

 

 

Sob a metáfora do olhar, as obras expostas apresentam as vastas possibilidades da transfiguração corpórea e metafísica, em que a presença auto-referencial se cruza, por vezes, na alteridade. “Essa corporalidade é também nomeação, através da palavra escrita, como imagem e narrativa, ou como título de algumas das obras, desvelando uma visão poética, mas também crítica, à qual não escapa a História da Arte e as estórias, quase íntimas, na relação entre artistas ou entre estes e o contexto em que estas obras foram criadas”, descreve João Silvério, curador desta exposição.

 

 

Esta exposição conta com obras de seis colecções institucionais (Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, Colecção Caixa Geral de Depósitos, Fundação EDP, Fundação Millennium bcp, Fundação PLMJ e Fundação Oriente) que recaem sobre a metamorfose do corpo, interpretada por artistas portugueses e estrangeiros em sessenta obras de 35 artistas. Alguns dos artistas representados são: Maria Helena Vieira da Silva e Arpad Szenes, Helena Almeida, Julião Sarmento ou Noé Sendas. São da sua autoria os trabalhos expostos, em fotografia, vídeo, desenho, pintura, escultura e instalações, a par de um conjunto de livros de artistas. 

 

 

“O Olhar da Sibila – corporalidade e transfiguração” é a forma actual de um projecto lançado no contexto da conferência que teve lugar em Novembro de 2015 na Fundação Oriente, promovida pela Fundação PLMJ e subordinada ao tema “Corporate Art Collections” e que visou uma abordagem abrangente sobre este fenómeno empresarial de pendor cultural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.