paredes

 

Durante mais de meia década, Chet Faker fundiu soul e pop numa atmosfera muito própria até sentir que tinha chegado o momento para uma evolução na sua música. Despedir-se de Chet Faker e adoptar Nick Murphy – o seu nome verdadeiro – foi a forma de renovação que encontrou e que, segundo o próprio, lhe permitiu uma abordagem mais fluída à música.

 

 

Crescer entre compilações de chillout e álbuns de jazz do pai fez o artista australiano combinar as duas sonoridades e lançar a sua carreira com uma cover de “No Diggity”, música que publicou na internet, em 2011, como Chet Faker. Depois da versão se tornar viral, chegaram “Thinking in Textures” e “Lockjaw EP”, trabalhos que antecederam o calmo e sereno “Built on Glass” álbum de estreia, de 2014, que chegou a platina.

 

 

A ascensão foi rápida. De trabalhador anónimo de uma livraria na cidade natal, Murphy passou a ter de saber lidar com o reconhecimento público e tours constantes e acabou por sentir necessidade de encontrar um novo rumo. A precisar de escrever mais que nunca, e pondo assim de parte a hipótese de fazer uma pausa, a solução que encontrou foi marcar um ponto de viragem que lhe permitisse concentrar-se no mais importante: fazer algo mais próximo daquilo que ele próprio é, algo novo e inspirador para si e para todos os que ouvem.

 

 

O resultado é Nick Murphy, um exemplo de fluidez de identidade, uma evolução para algo mais seguro. Um estado mental renovado que gerou duas das músicas mais dinâmicas do artista, singles de um novo trabalho a lançar este ano. “Fear Less” e “Stop Me (Stop You)” já são conhecidas e qualquer que seja o nome usado, a voz do australiano continua a evocar experiências emocionais que o fazem distinguir-se do material comum. Uma viagem aberta a todos os que se queiram juntar e que tem paragem marcada no Vodafone Paredes de Coura.

 

 

O 25ª edição do festival está de regresso às margens da Praia Fluvial do Taboão, de 16 a 19 de Agosto, por onde vão passar os já confirmados Foals, At the Drive-In, Future Islands, Beach House, Benjamin Clementine, BadBadNotGood, Ty Segall, !!! (Chk Chk Chk) e Car Seat Headrest.

 

 

Os passes gerais para a 25ª edição do festival podem ser adquiridos no site oficial do festival e ainda em BOL.pt, Ticketea, Festicket e locais habituais (FNAC, CTT, El Corte Inglés, Worten,…) pelo preço de 90€.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6269 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.