Luiz Caracol1

 

Em “Metade e meia”, o novo disco de Luiz Caracol, o músico e compositor apresenta sons inspirados nos ritmos africanos ou na bossa nova brasileira com uma secção rítmica forte e uma voz rouca que transporta os ouvintes para outras paragens. 

 

 

Todas as letras do compositor têm uma mensagem, como é o caso do tema “Por Acaso”, mas não é um acaso escutarmos esta música que começa com um monólogo de Luís Caracol, à qual é anexada a viola e um ritmo semelhante ao da bossa nova ou a roda de choro, só que a ser cantada num português sem açúcar mas cheio de sentimento.

 

 

Em “Falhou a dança” a infância e as nossas brincadeiras favoritas são relembradas numa doce lembrança. A loucura política é abordada em “Tou farto”. Esta música fala sobre os erros da nossa sociedade onde uma pequena minoria tem tudo e a grande maioria vive com dificuldades.

 

 

Os ritmos africanos podem ser vistos em “Vou”. A esta música é associada a percussão e a viola que nos puxa novamente para o chão, prontos a partir e juntar as nossas vozes às de Luiz Caracol.

 

 

“Ser da lata” começa devagar mas vai aumentando de ritmo até atingir o seu zenite a meio da música. Neste tema, Luiz Caracol fala sobre uma ilusão de criança, um país (Angola) que já há muito tempo não existe. Um país simples e sincero como um sorriso de criança. Este tema é cantado em dueto com Sara Tavares, que criou a letra.

 

 

“Às vezes não dá” fala sobre desejos que temos mas que por vezes não dá. Não dá para ficar parado e cercado por quem não interessa, como canta o cantor. Esta é uma boa música para ser cantada ao vivo pois fica com uma outra força, como se fosse um grito de protesto contra os facilitismos da sociedade do século XXI.

 

 

“Metade” é o tema que dá o nome a este disco, “Metade e meia”, um trabalho que fala sobre mestiçagem, sobre sermos todos feitos por metades. Não somos perfeitos, tal como o mundo. É uma boa música para apresentar este disco a um público que não conheça o trabalho que Luiz Caracol tem vindo a desenvolver ao longo dos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.