“Os Blumthal”, o novo livro de José Milhazes: a história real de uma família vítima do regime nazi e comunista

 

 

Os Blumthal é o título do novo livro do jornalista José Milhazes, que chega hoje às livrarias, editado pela Oficina do Livro. Reconstitui a vida de dois jovens idealistas, Erich Sõerd e Leida Holm Blumthal, que participaram activamente na introdução da revolução comunista na Estónia, e depois foram ultrapassados pelos acontecimentos do mundo conturbado e violento do século XX e acabaram vítimas, primeiro do regime nazi e depois do regime comunista soviético.

Só possível após uma grande investigação, que integrou a consulta de diversos arquivos em vários países e de fontes histórias variadas – e o testemunho da própria Siiri Milhazes, neta de Erich e Leida –, esta obra revela a dramática saga familiar dos Blumthal e dos Sõerd. A avó Leida sobreviveu a dois campos de concentração, – após a II Guerra Mundial foi enviada para o gulag na Sibéria e, décadas depois, gritava noite dentro, sem esquecer o que vira e perdera para sempre. Erich morreu de fome no Cerco de Leninegrado.

Não há neste livro uma única linha de ficção. Tratam-se de factos e vidas reais ligados à Estónia, um pequeno estão situado na costa do Mar Báltico, que se tornou independente da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas em 1991. A história deste minúsculo país é um exemplo da crueldade do comunismo e do nazismo, utopias monstruosas que dominaram o século XX. Infelizmente, a história pode repetir-se.

José Milhazes nasceu na Póvoa de Varzim em 1958. Tradutor de autores clássicos e políticos russos, tornou-se conhecido enquanto correspondente em Moscovo da SIC, TSF e do jornal Público. Doutorado pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, é autor de diversos livros. Viveu em Moscovo entre 1977 e 2015. É actualmente comentador político da SIC e da RDP e colunista do jornal Observador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.