Palas revela que ‘Dente de Leão’ tem “a minha identidade, um bocado de mim para vocês

 

 

 

“Dente de Leão” é o novo EP de Filipe Palas e tem data de edição para 12 de Outubro.

 

Filipe Palas foi intérprete em projectos como Smix Smox Smux e Máquina del Amor, mas a solo lança esta semana o seu primeiro EP: “Dente de Leão”, tendo, em entrevista ao Infocul, dado a conhecer um pouco mais deste trabalho que revela maturidade, inteligência e qualidade.

 

Durante os últimos anos fiz uma serie de musicas que guardava para mim e sempre pensei em fazer alguma coisa com elas, chegou esse momento”, começa por nos revelar, quando o questionámos sobre o momento em que começou a pensar neste trabalho.

 

Diz que este trabalho “tem a minha identidade, um bocado de mim para vocês” e revela que “o passado já lá foi e o presente está a ir, depois de gravar estas músicas inventam-se outras e temos pena de não estarem incluídas no álbum, há sempre o sentimento da última que se faz é que é”, quando questionado se este trabalho vinha no tempo certo e o representava na actualidade.

 

Filipe Palas relembra que “o meu percurso musical começou no fim dos anos 90, com as chamadas “bandas de garagem”. Formei os Smix Smox Smux e os Máquina Del amor, duas sonoridades completamente distintas. Agora estou em nome próprio,  mas sempre bem acompanhado”. Diz ainda que, na música, falta fazer “tudo o que ainda não fiz. Não parar é uma certeza”.

 

Desafiámos o músico a descrever cada um dos seis temas que integram este EP:

 

 

Intro- foi a primeira vez que gravei uma musica num Mac que comprei, com o propósito de gravar músicas.

Pau- Fala da vontade do homem ser independente, mas sempre a requerer a opinião da sua companheira.

Prazer- O instrumental que mais gosto neste trabalho, uma sensação de bem estar.

Esperança- o futuro visto pelos olhos de uma criança, um lugar belo.

Inglês-. “cantar em inglês é fácil de inventar”

Salta a corda- Passa por um mundo imaginário da criança, das aventuras, da criatividade emocional, da bondade e pureza que tanto têm, até às pessoas que se aproveitam desse espírito tão autêntico e inocente.

 

 

A gravação e masterização deste trabalho esteve a cargo de José Arantes, Zé Pedro Guimarães assina o design gráfico, Xana Haulsen assina a fotografia de capa e a fotografia e interior é da autoria de Francisca Marques.

 

Aos nossos leitores deixou ainda uma mensagem: “Sejam felizes e apoiem sempre a música portuguesa e o que se faz por cá. Beijinhos e abraços”. Poderão acompanhar o trabalho do músico no Facebook e Instagram.

 

 

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 08/10/2018

Tagged with:    

About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

_