cp

 

 

A Praça de Touros do Campo Pequeno recebeu, esta quinta-feira, a penúltima corrida do abono 2017. Em praça estiveram o cavaleiro Luis Rouxinol e os matadores Juan José Padilla e Manuel Dias Gomes,  Forcados Amadores de Santarém. Os Touros eram pertença das ganadarias Mário e Herdeiros Vinhas (para a lide a cavalo) e Manuel Veiga (lide a pé).

 

 

 

Intitulada de “Corrida de Triunfadores”, o resultado acaba por não ser de triunfo absoluto para nenhum dos integrantes do cartel.

 

 

 

Luís Rouxinol andou irregular no primeiro touro, com alguns toques na montada e longe do brilho a que, habitualmente, emprega nas suas actuações. Não teve música durante a lide nem volta autorizada. No segundo touro, puxou dos galões e mostrou o que de melhor tem. Entendeu bem o touro, cravou compridos regulares e nos curtos foi subindo de nota a cada cravagem. O público gostou e aplaudiu. Nesta segunda lide não faltou o habitual par de bandarilhas, marca da casa.

 

 

 

Os Forcados Amadores de Santarém pegaram os dois touros à primeira tentativa. O primeira por António Taurino e o segundo por Francisco Graciosa. Ambos deram volta à arena.

 

 

 

Juan José Padilla esteve em noite para esquecer no Campo Pequeno. No primeiro touro esteve em muito bom plano no capote e no tércio de bandarilhas, sendo que no capote, e devido à pouca potabilidade do seu oponente, esteve longe de poder brilhar. Não ouviu música e não lhe foi concedida volta. No seu segundo touro, esteve bem no capote mas depois começou uma verdadeira bronca. Padilla não quis bandarilhar, arte em que é dos melhores, e delegou nos seus bandarilheiros. Estes estiveram péssimos, roçando o que de pior se viu nos últimos tempos, o público assobiou a recusa de Padilla em bandarilhar e ainda o péssimo trabalho dos bandarilheiros. De capote teve poucos momentos bons, mesmo assim foi concedida música, e com ela voltaram os assobios da bancada. Padilla mandou parar a música. Uma lide cheia de assobios…longe dos tempos de aclamação que lhe valeram a Porta Grande do Campo Pequeno. Não deu volta, por não ter sido autorizada.

 

 

 

Manuel Dias Gomes esteve com ganas em Lisboa. No primeiro touro apenas ouviu música no final da lide, perante um oponente que pouca margem lhe deu para brilhar. Humildemente não deu volta. No segundo touro elevou a fasquia. Este bem no capote e a muleta, por ambos os pitons, e para o final da lide usou e abusou dos desplantes. Público gostou e aplaudiu. Destaque no último touro para a qualidade dos bandarilheiros no tércio de bandarilhas. Excelentes! O matador deu duas voltas à arena.

 

 

 

Antes do inicio do espectáculo foi reservado um minuto de silêncio em homenagem ao forcado Pedro Primo e ao matador espanhol Dámaso Gonzalez, recentemente falecidos. O Campo Pequeno contou com uma boa lotação em termos de público, embora não tenha esgotado.

 

 

Fotografia: Campo Pequeno

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6682 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.