Ricardo Ribeiro: “Amália tinha a lucidez de discernir aquilo que é vulgar daquilo que é importante”

Fotografia: Diogo Nora

Brejão, em Odemira, recebeu o espectáculo ‘Bem-Vinda Sejas Amália‘, para celebrar o centenário do seu nascimento.

Ricardo Ribeiro integrou o elenco e antes de subir a palco esteve a conversar com o Infocul.pt, explicando que “estão reunidas as três coisas que eu mais gosto: O Alentejo, O Fado e A Amália, entre outras coisas, mas sou um Amaliano confesso, desde muito cedo“.

Considera que “Amália é um ser tão especial, uma mulher tão delicada, tão simples mas ao mesmo tempo tão refinada e requintada. Foi uma mulher que depurou sempre o seu gosto, e esse é o sentido da evolução como dizia um filósofo indiano que gosto muito. Amália ao ser isso tudo é sempre muito pouco. Por muito que se reconheça, será sempre pouco. Amália tem um património em termos musicais e intelectuais muito profundos e muito ricos“.

Não tenho presente quando foi a primeira vez que ouvi Amália, da mesma forma que não tenho presente quando foi a primeira vez do [Fernando] Maurício, o meu mestre, ou o Camarón [Camarón de la Isla] ou o Johnny Hartman…Começaram a fazer parte de tal maneira da minha vida e do meu mundo que eu não tenho registo de um dia ser o primeiro dia. Só sei que há um disco de Amália que me marcou muito e que ouvi muitas, muitas, muitas vezes, que se chama ‘Cantigas de uma língua antiga’. Quando ouvi isso fiquei siderado. Devia ter para aí os meus 23/24 anos. Já conhecia Amália mas há artistas em que precisas de ter uma determinada vivência para conseguires dar a devida atenção, para poderes entrar lá dentro. Porque é demasiado profundo para ser ouvido pela rama ou de forma fácil“, confidenciou-.nos, quando questionado sobre a primeira vez em que ouviu Amália.

Definiu Amália numa frase: “Amália tinha a lucidez de discernir aquilo que é vulgar daquilo que é importante”.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6771 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.