Sentença de Sócrates vai ser conhecida no CCVF

A2CE0645-FE3A-4382-B1B4-2178EF44632C

 

 

O Centro Cultural de Vila Flor (CCVF) vai receber, já no fim deste mês, a sentença de Sócrates, que será apresentada por  Mickaël de Oliveira.

 

 

 

O díptico de peças “Sócrates Tem de Morrer” vai ser apresentado nos dias 23 e 24 de Fevereiro (o segundo episódio, que vai ser apresentado em estreia absoluta, é intitulado de “A Vida de John Smith”), sempre pelas 21:30.

 

 

 

“A Morte de Sócrates” vai juntar em Guimarães a figura reinventada de Sócrates (Albano Jerónimo), e dos seus fiéis amigos, Paulo (Paulo Pinto), Pedro (Pedro Lacerda), Maria (Raquel Castro) e Ana (Ana Bustorff). Esta peça narra os últimos três dias de Sócrates na prisão, na qual permaneceu durante um mês, período em que as festas da cidade proibiam qualquer execução capital. Os amigos de Sócrates tentam convencê-lo a permanecer vivo, apresentando-lhe hipóteses de fuga. No entanto, este mantém-se convicto de que a morte é preferível à vida, sendo o corpo um impedimento ao conhecimento puro. Contudo, depois de alguma retórica, Paulo, Pedro, Maria e Ana confessam que estão eles próprios convencidos de que morrer é a melhor solução, apresentando a Sócrates a utopia de um mundo livre e o plano para o atingir: a constituição de um grupo terrorista e de uma Academia que o perpetue através dos tempos.

 

 

 

Em “A Vida de John Smith”, Paulo, Pedro, Maria, Ana e Sócrates (reencarnado em John Smith) acordam de um longo sono, num Museu de História Natural. São despertados por três membros da Academia: Aquela (Miguel Moreira), Aquele (Pedro Gil) e Aqueloutro (John Romão) que se encarregam de lhes apresentar o mundo que emergiu da utopia desenhada no 1º episódio: uma comunidade definida pela primazia da alma em relação ao corpo.

 

 

 

Memória, linguagem, ficção, filiação, diferença e alteridade vão ser os temas que vão alimentar a discussão que estas duas peças pretendem criar. Depois da apresentação das mesmas o público poderá juntar-se no foyer do Grande Auditório do CCVF para uma conversa com Mickaël de Oliveira em torno desta apresentação e do caminho percorrido ao longo do processo de criação.

 

 

 

Mickaël de Oliveira também vai protagonizar duas oficinas de criação dirigidas a atores, criadores e dramaturgos da Rede TO (Teatro Oficina). A primeira oficina estende-se entre 29 de Janeiro e 24 de Fevereiro e aborda o díptico “Sócrates Tem de Morrer”, colocando o foco na segunda parte, para trabalhar o texto com atores não-profissionais, amadores ou simples curiosos. Durante as sessões, serão trabalhadas algumas partes de “A Vida de John Smith”, nomeadamente as que incluem a personagem coletiva “Assembleia”. Os frequentadores da oficina poderão ainda, caso queiram, participar nesse espetáculo e fazerem parte da “Assembleia”. A segunda oficina,  a 26 e 27 de Fevereiro, dará lugar à reflexão sobre a desconstrução dos materiais textuais que deram origem ao díptico, assim como a metodologia de escrita e de encenação que caraterizam a relação entre os dois espetáculos.

 

 

 

Os bilhetes para ver estas duas peças podem ser adquiridos em conjunto ou de forma separada.

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 12/02/2018


About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

_