Já a menos de um mês do regresso do Super Bock em Stock à Avenida da Liberdade, em Lisboa, está quase completo o cartaz do Festival. As novas confirmações sublinham uma das suas imagens de marca, a aposta forte na boa música portuguesa. Manuel Fúria e os Náufragos prometem conquistar o público do Coliseu dos Recreios com um espectáculo especial com a presença dos convidados Samuel Úria, Miguel Ângelo, Tomás Wallenstein, Márcia, Tomás Cruz e o trio instrumental Bispo.

 

 

 

Também confirmados, estão os portugueses Beatriz Pessoa, Fogo-Fogo, Conjunto!Evite, Funkamente!, Hércules, Janeiro e os Prana a provar que a música nacional está bem forte em todas as frentes.

 

 

 

Em Fevereiro de 2017 Manuel Fúria e os Náufragos apresentaram “Viva Fúria”, o segundo álbum da banda. Em ruptura com a ideia de ruptura pela ruptura, Fúria e os Náufragos varreram Portugal, de Faro às Flores, de Évora a Melgaço. Mais de um ano depois, “Viva Fúria” terminou, Manuel já trabalha há muito tempo no seu sucessor e agora é tempo de encerrar o ciclo deste disco, celebrando-o com cúmplices e amigos – Samuel Úria, Miguel Ângelo, o trio instrumental Bispo, Tomás Wallenstein ou Tomás Cruz. A circunstância não poderia ser a mais apropriada – partilhar o Coliseu dos Recreios – Palco Super Bock com os amigos Capitão Fausto e Johnny Marr, o homem com quem Manuel Fúria e Tiago Brito (guitarrista dos Náufragos) “aprenderam tudo o que sabem sobre guitarras e grego antigo…” Em Novembro de 2018, o lema é: “MORRA FÚRIA, MORRA! PIM!”. Antes disso, no entanto, a festa de despedida faz-se no Super Bock em Stock!

 

 

 

Os media apostam em 2018 como o ano de Beatriz Pessoa e das suas canções de toada jazz e estrutura pop. Depois de um 2017 repleto de apresentações especiais, este é mesmo o momento, como escreveu o jornal Público, da “voz que a pop roubou ao jazz”.

 

 

 

Os Conjunto!Evite são José Deveza, Manuel Belo, Sebastião Santos, Fábio Neves e Vicente Santos. A banda nasceu da capacidade de sonhar que o Prog-Rock tinha pernas para andar e podia sair do armário sem cheirar a naftalina. Adeptos de cantigas longas e de fazer viajar quem os ouve. É música pela música, uma espécie de fusão entre Pink Floyd e Death From Above, ELP e QOTSA, Yes e Mastodon, Camel e Tool, num caldeirão de influências que se insinua, mas nunca transborda e que faz ponto caramelo na palavra cantada de dois irmãos que só sabem harmonizar em português.

 

 

 

Os Fogo-Fogo assumem a mais primordial das missões: fazer dançar sem truques, atirando-se a funanás e a música de festa africana como se a década de 80 tivesse sido ontem. E a próxima celebração comandada por estes senhores já está marcada, este mês de Novembro, no Super Bock em Stock.

 

 

 

Com apenas 20 anos de idade, Janeiro apresentou o EP de estreia, “Janeiro”, gravado num estúdio improvisado em casa. O tempo passa rápido e o álbum de estreia já está aí. Mais profissional, “Fragmentos” representa os momentos que se unem na confusão das referências que invadem o quotidiano do músico. Um resumo da sua história de vida, para ficar a conhecer melhor no Super Bock em Stock.

 

 

O percurso dos Prana sempre foi fundamentado pela amizade e pela liberdade criativa, com poemas cantados em português e muita energia depositada em cada actuação ao vivo. As influências são muitas e variadas: do clássico ao jazz, de Deftones a Mamonas Assassinas, de Pink Floyd a Carlos Paião. Com um quarto disco a caminho, os Prana apresentam-se no Super Bock em Stock, com novidades na bagagem.

 

 

 

 

Com o compromisso de encher a Avenida de Música, o Super Bock Bus é o autocarro de serviço. Para cima e para baixo, a festa faz-se do centro da Avenida da Liberdade até aos Restauradores, levando a música ainda mais perto do público. Lá dentro não há palco, mas recomendamos que se agarrem bem, ao som de:

 

 

 

Funkamente é aquilo que apetece dizer quando Midnight e Bungahigh se juntam na cabine. Em conjunto acumulam muitas horas na pista e bastantes discos na colecção. O set é completamente back-to-back e esta batalha transforma-se numa colaboração que resulta em muita dança.

 

 

 

Os Hércules dedicam-se ao rock, inspirados por atmosferas mais psicadélicas, mas sem nunca esquecer a importância da palavra cantada. “Tarefas Modernas” é o disco de estreia, editado em 2018, e que nos oferece 8 desabafos em formato de canção. Já se sabe que não é fácil viver na modernidade, mas o rock dá uma ajuda. E vai encher o Super Bock Bus, no Super Bock em Stock.

 

 

O bilhete único válido para os dois dias do Festival encontra-se à venda nos locais habituais, pelo preço de 45€, passando a 50€ nos dias do Festival.

 

 

 

Já confirmados:

 

Anabela Aya; Alta Ave Band: April Marmara; Beatriz Pessoa; Bejaflor; Birds Are Indie; Capitão Fausto; Cassete Pirata; Cavalheiro; Charles Watson; Conan Osiris; Conjunto!Evite; Conner Youngblood; David Bruno; Dino D’Santiago; Dream Wife; Elisa Rodrigues; Elvis Perkins; Éme; Fogo-Fogo; Funkamente; The Harpoonist and The Axe Murderer; Hércules; Holly Miranda; IAN; Iguanas;Janeiro; Johnny Marr; Jungle; Lena d’Água e Primeira Dama com a Banda Xita;Lola Marsh; Lo-Fang; Manuel Fúria e os Náufragos com os convidados especiais Samuel Úria, Miguel Ângelo, Márcia, Tomás Wallenstein, Bispo e Tomás Cruz; Masego; Nakhane; Natalie Prass; Paraguaii; Prana; Public Access T.V; Rejjie Snow; The Saxophones; SOAK; Still Corners; Tim Bernardes; U.S. Girls; Zé Vito

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.