Super Bock em Stock terá o Bloco Moche dedicado ao Hip Hop

 

 

 

Vem aí mais uma edição do Super Bock em Stock, um Festival marcado pela qualidade das propostas, mas também por rara diversidade musical. Nos dias 23 e 24 de Novembro, na Avenida da Liberdade em Lisboa, haverá espaço para o rock, para o folk, para alguma eletrónica e também para o hip hop, claro… E como, no que diz respeito ao hip hop as propostas são tantas e tão boas, esse espaço tem mesmo um nome – chama-se Bloco MOCHE, estará sediado no Capitólio e divide-se por três espaços: Cineteatro, Bastidores e Terraço.

 

 

No Bloco MOCHE Lá Dentro (no Cineteatro Capitólio), além dos já anunciados Masego e Rejjie Snow, há mais quatro nomes a não perder: NGA, Lazy, Lolo Zouaï e Russa.

 

 

NGA é um dos nomes com mais história no hip hop nacional. Depois do sucesso do grupo Força Suprema, aventura-se agora na sua carreira a solo. Em 2012 lançou o seu primeiro álbum, “Filho Das Ruas”, e em 2014 chegou o segundo, “King”. Depois destes registos a solo, seguiram-se os prémios, um público cada vez maior e também a atenção da crítica.

 

 

Com a Curadoria Ciência Rítmica Avançada, que é já um hábito esperado no Festival que em novembro toma conta da Avenida, e que desde há 2 anos conta com rubrica diária na Rádio SBSR, o Cineteatro Capitólio recebe RUSSA, uma rapper nascida no Ribatejo. Aos 18 anos mudou-se para Lisboa e aí, sim, ficou mais exposta à arte urbana. Desde que atingiu a maioridade mudou de casa mais de dez vezes e morou em cinco países diferentes, entre eles a Rússia, o que veio a influenciar a sua sensibilidade musical. Depois de alguns projetos amadores, RUSSA lançou em o seu primeiro álbum, em março de 2018.

 

 

Também pelo Cineteatro Capitólio, vão passar Lolo Zouaï que com um estilo influenciado pelo r&b e hip hop da década de 90, editou com 23 anos o seu primeiro single, “High Highs to Low Lows”, e o álbum “Blue” em janeiro de 2018; e Lazy, o “rapper preguiçoso”. Com uma sonoridade bem fresca, há três singles para fixar: “Ecos”, “Dom da Palavra” e “Mais Tarde ou Mais Cedo”, temas que levaram Lazy a ser ouvido um pouco por todo o país.

 

 

O Bloco MOCHE Lá Fora (no Capitólio Bastidores) é outro dos espaços Bloco MOCHE no Super Bock em Stock. Com a curadoria Ciência Rítmica Avançada, recebe o talento de Pedro Mafama e SP Deville.

 

 

Pedro Mafama cresceu entre os Anjos e a Graça. Em 2017 começou a fazer música regularmente, e em maio de 2018 lançou o EP “TANTO SAL”, onde junta todas as suas experiências e influências sonoras. Neste EP há fados regados a auto-tune, com guitarras portuguesas a tocar melodias arabescas.

 

 

SP Deville é um dos artistas e produtores mais ecléticos da nova geração da música portuguesa. Com um vasto repertório de originais, tornou-se num nome de referência para a cultura urbana nacional. No palco também surpreende, com concertos difíceis de esquecer, onde viaja pela sua discografia a solo, desde os EPs “Its Deville Bitches”, passando pelo aclamado “Sou Quem Sou”, e até àquele que é o seu mais recente trabalho: “Black Gipsy”.

 

 

Por último, há ainda o Bloco MOCHE Lá em Cima (no Capitólio Terraço), outro espaço com a curadoria Ciência Rítmica Avançada no Super Bock em Stock. Por lá vão passar Maria Vs. Sensei D e DarkSunn.

 

 

Uma das propostas para o Bloco MOCHE Lá em Cima, é uma espécie de “confronto” entre Maria e Sensei D., um momento em que também haverá muita cumplicidade. Maria já conta com dois EPs, “Isto Nem é ma Beat Tape” e “Cor e Forma”, contando também com algumas aparições na imprensa e rádios nacionais. Com a ajuda de sintetizadores analógicos e digitais, Maria dá uso a uma memória cheia de melodias acabadas de sair de uma coleção de discos de soul e r&b. E a verdade é que o seu companheiro de palco, Sensei D, é também viciado em música desde criança. Começou como DJ e rapidamente se apaixonou pelo diggin, beat-making e pela produção. Até ao momento lançou um disco, “Vivificat”, três EPs e várias mixtapes, assumindo-se cada vez mais como um dos principais nomes do hip hop nacional.

 

 

Bruno Dias, mais conhecido por DarkSunn, é um dos produtores mais experientes do nosso país, capaz dos instrumentais mais brilhantes, cheios de soul, funk e jazz. Com mais de 15 anos de produção, DarkSunn não é alguém com um aspeto soturno à primeira audição. Até parece bem animador. Mas depois é normal que se sinta outra camada – e esta “vem como facas”. Segundo o próprio músico: “DarkSunn apresenta-se subtilmente e calmamente vai atrás de ti, tal como um lobo experiente.” Não é preciso ter medo, mas recomenda-se toda a atenção para este concerto no Bloco MOCHE, no Super Bock em Stock.

 

 

O bilhete único válido para os dois dias do Festival encontra-se à venda nos locais habituais, pelo preço de 45€, passando a 50€ nos dias do Festival.

 

 

Já confirmados:

Anabela Aya: April Marmara; Bejaflor; Birds Are Indie; Capitão Fausto; Cassete Pirata; Cavalheiro; Charles Watson; Conan Osiris; Conner Youngblood; Curadoria Ciência Rítmica Avançada com: Darksunn, Maria Vs. Sensei D, Pedro Mafama, RUSSA e SP Deville; David Bruno; Dino D’Santiago; Dream Wife; Elisa Rodrigues; Elvis Perkins; Éme; Holly Miranda; IAN; Iguanas; Johnny Marr; Jungle; Lazy; Lolo Zouaï; Lena d’Água e Primeira Dama com a Banda Xita; Lola Marsh; Mansionair; Masego; Nakhane; Natalie Prass; NGA; Paraguaii; Rejjie Snow; Still Corners; The Harpoonist and The Axe Murderer; The Saxophones; Tim Bernardes; U.S. Girls

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.