Super Bock Super Rock: Slow J partiu a louça toda e The Gift pintaram um belo quadro

AH2_7409

 

 

O segundo dia de Super Bock Super Rock levou menos gente ao Parque das Nações, comparativamente ao primeiro dia em que os bilhetes esgotaram. Referir que os passes de 3 dias também estão esgotados. Slow J e The Gift mostraram que a música portuguesa está de boa saúde.

 

Slow J- Palco EDP

“T.A.O.S.D” é o primeiro disco de Slow J e sai já em 2017. No Super Bock Super Rock subiu ao palco EDP, no segundo dia do festival.

 

Slow J subiu ao palco EDP ao final da tarde e perante uma excelente moldura humana, deu um dos melhores concertos desta edição do festival. Veio apresentar o seu disco, The Art of Slowing Down, e também reforçar a ideia que na sua voz tudo ganha dimensão, do rock ao hip-hop, da alegria à tristeza.  A múisica corre-lhe nas veias e o coração não falha uma única nota musical, a voz reflecte toda a sua alma.

 

 

Perante uma multidão que demonstrou saber todas as suas letras, criando uma simbiose perfeita entre músico e público, Slow J abriu o espectáculo com uma versão de “Não me mintas”, de Rui Veloso, demonstrando a sua “Arte”, num palco do qual fez a sua “Casa”.

 

 

“Tinta de raíz”, “Menina estás a janela”, de Vitorino, “Sonhei para dentro”, “Às vezes” (com o convidado Nerve), “Comida”, “Origem”, “Cristalina”, “Último Empregado”, “Pagar as Contas” (que já virou hit e teve em palco Gson e Papi), “Vida Boa”, “Serenata” e “Mun’Dança” complementaram um alinhamento incrivelmente bom demonstrando que Slow J já não é uma esperança ou revelação da música nacional. É um valor seguro e com voos projectados para os maiores palcos deste país.

02

 

22

 

23

 

24

 

 

The Gift- Palco Super Bock Super Rock

“Altar” é o mais recente disco da banda de Alcobaça que conta com produção de Brian Eno e misturado por Flood. Contudo o percurso dos The Gift conta já com 22 anos de percurso e muitos são os temas que fazem parte da vida dos portugueses.

 

 

The Gift tiveram um concerto ingrato. Ingrato porque quando subiram a palco, a MEO Arena estava quase vazia, sendo que foi ficando mais composta à medida que o concerto se ia desenrolando. Mas a banda de Alcobaça não se amedrontou e deu um concerto absolutamente incrível, com o alinhamento a incidir no último disco o grupo, “Altar”.

 

 

Sónia Tavares é indiscutivelmente das melhores vozes femininas em Portugal e um animal de palco. Num “Altar” produzido por Brian Eno, a banda de Alcobaça alcança um registo diferente e que lhe poder abrir novos horizontes. Se por um lado, cada vez que escrevem temas em português atingem um brilhantismo e densidade emocional únicos, por outro lado, é em inglês que maioritariamente se expressam e onde se sentem mais à vontade. O público da MEO Arena mostrou ainda não estar muito familiarizado com este novo disco, mas nem por isso deixou de se envolver no concerto e aderir às solicitações de Sónia Tavares.

 

 

“I Loved it All”, “Hymn to Her”, “Vitral”, “Biga Fish”, “Driving u slow” (um clássico a que o público aderiu), “You Will Be Queen” (dedicado a todas as meninas da plateia), “Love Without Violins” ou “Clinic Hope” integraram um alinhamento ao qual, na nossa opinião, faltaram os temas que todos conhecem e gostam da banda de Alcobaça. Contudo, quem não assistiu ao espectáculo, perdeu um concerto muito bem conseguido de uma das melhores bandas nacionais.

 

29

 

31

 

32

 

33

 

34

 

35

 

36

 

38

 

Fotografias: Arlindo Homem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.