Teatro Nacional São João (TNSJ) apresenta programação para os primeiros quatro meses da temporada 2018/2019

 

 

 

Otelo, Em fio breve o coração e Uma Noite no Futuro são as três produções do Teatro Nacional São João (TNSJ) para os primeiros quatro meses da temporada 2018/2019. A programação entre setembro e dezembro do TNSJ – que inclui o Teatro Carlos Alberto (TeCA) e o Mosteiro de São Bento da Vitória (MSBV) – já foi apresentada e contempla duas dezenas de espetáculos, entre eles oito estreias, incluindo as três produções próprias. As habituais Leituras no Mosteiro também estão de regresso, desta feita com o tema Fora da Caixa, lendo obras dos Forced Entertainment, Annie Baker e Angélica Liddell.

 

Durante este período, os espaços vão receber vários projectos de importantes companhias nacionais – Ensemble, Teatro da Palmilha Dentada, Teatro Experimental do Porto, Artistas Unidos, Teatro da Garagem ou Teatro Nacional D. Maria II – e espectáculos internacionais integrados no Festival Internacional de Marionetas do Porto (FIMP). No período que antecede o Natal (20 de Dezembro), os Músicos do Tejo levam até ao Teatro Nacional São João Veneza e os Limites da Moralidade, um espectáculo que abre uma janela com vista para a música e para a sociedade do Renascimento italiano e que terá a actriz Luísa Cruz como narradora de serviço.

 

Na temporada 2018/2019, o Centro Educativo do TNSJ será totalmente reformulado. Para além do reforço nos espectáculos para o público infanto-juvenil – como é o caso de Frágil, de João Paulo Seara Cardoso, e Comer a Língua, com texto de Regina Guimarães – e nas acções de formação e oficinas, destaque-se as iniciativas que fazem a ligação entre a Escola e o Teatro. Disso é exemplo a actividade que pretende celebrar os 500 anos da apresentação do Auto da Glória à corte portuguesa (1519) e que desafia alunos e professores de todos os ciclos de ensino a formarem um Clube de Teatro – com o apoio de formadores do TNSJ – e a construírem um espectáculo a partir da obra de Gil Vicente. As apresentações só serão feitas no próximo ano, mas as inscrições já estão abertas, num máximo de 200 participantes.

 

 

A programação do Teatro Nacional São João arranca no dia 12 de Setembro com o Colexpla – Festival Internacional de Exploração Sonora. No entanto, ainda este mês, está prevista a estreia da primeira produção própria desta temporada: Otelo é a segunda incursão de Nuno Carinhas (director artístico do TNSJ, que também assina os figurinos e a cenografia) pelo universo de William Shakespeare e estará em cena entre 28 de Setembro e 13 de Outubro. Estão ainda programadas várias actividades paralelas relacionadas com o espectáculo, como é o caso de uma Oficina de Teatro e de um Seminário com Maria Sequeira Mendes.

 

Nuno Carinhas está também no centro das outras duas produções próprias. Em fio breve o coração celebra-se o fado, esse “sexto sentido” tão português. O espectáculo estreia-se no dia 1 de Outubro, no Mosteiro de São Bento da Vitória, para assinalar o Dia Mundial da Música. Com direcção musical de Miguel Amaral e direcção cénica de Nuno Carinhas, o jovem premiado Miguel Xavier corporiza as palavras de poetas populares (Manuela de Freitas ou Alexandre O’Neill) e reflecte fados mais modernos de Mário Laginha, Luís Figueiredo, André Teixeira ou Filipe Teixeira.

 

Já em Uma Noite no Futuro, que se estreia dia 13 de Dezembro, no TeCA, o director artístico do TNSJ conta com o apoio de Pedro Sobrado no conceito e na dramaturgia de um espectáculo que reúne as obras dramáticas de dois autores “contemporâneos”, Gil Vicente, o ilustre desconhecido que fundou o teatro português, e Samuel Beckett, um dos inventores do (impropriamente) designado “teatro do absurdo”. A peça pode ser vista até dia 22 de Dezembro.

 

 

Antes da chegada do outono, o TNSJ apresenta outras duas estreias. Imóvel “salta” do teatro convencional e vai até a uma sala de reuniões de um condomínio do Porto para reflectir a cidade e a cidadania, reivindicando o desejo de voltarmos a estar juntos, em comunidade. Com encenação de Hugo Cruz e texto de Regina Guimarães, o espectáculo estreia-se a 19 de Setembro na Rua Mártires da Liberdade (com ponto de encontro no TeCA) e ficará em cena até 23 do mesmo mês.

 

 

Ter Razão é o mais recente projecto do Ensemble, que encomendou um texto original e encenação a Ricardo Alves, do Teatro da Palmilha Dentada. O espectáculo – que pode ser visto no TeCA entre 26 e 30 de Setembro – cria uma ponte entre atores e criativos de duas companhias portuenses, cruzando distintas gerações para desafiar expectativas, enquanto se conversa sobre aqueles que querem a todo o custo ter razão. E também sobre os problemas de estacionamento e dos engarrafamentos monumentais.

 

 

Depois de duas recentes incursões no teatro de Gorki (Veraneantes, 2017) e de Shakespeare (Timão de Atenas, 2018), Nuno Cardoso está de regresso aos autores contemporâneos. Bella Figura, da francesa Yasmina Reza, começa por apresentar uma noite com um jantar romântico e uma descontraída festa de aniversário, “mas que acaba por descambar numa situação onde o verniz da civilidade estala para dar a ver um corpo social em adiantado estado de decomposição”. O espectáculo estreia-se no dia 2 de Novembro, ficando em cena até dia 4 do mesmo mês, no Teatro Carlos Alberto.

 

 

Luigi Pirandello foi um actor determinante na vontade de Simão do Vale Africano começar a fazer teatro. Por isso mesmo, o criador decidiu-lhe prestar um tributo, trazendo a sua terceira encenação até aos espaços do Teatro Nacional São João. Entre 15 e 25 de Novembro, abrem-se as portas de Trattoria Pirandello, “restaurante” onde são servidas em sequência três peças em um ato do dramaturgo italiano, três “refeições” breves e mediterrânicas. Começa com O Homem com a Flor na Boca – um lugar de espera e de passagem, a vida e a morte –, prossegue com o maravilhoso mundo para cá do espelho de Sonho (ou talvez não) e termina em chave cómica, na companhia do tratante Cecè, espécie de D. João à italiana. Uma estreia para “degustar” no Teatro Carlos Alberto.

 

 

No último ano e meio, o Teatro Experimental do Porto tem estado a “estudar” as juventudes inquietas dos últimos cinquenta anos do século passado em Portugal, numa saga que chamou de Trilogia da Juventude. Gonçalo Amorim estreia agora o último capítulo deste texto tripartido, colocando em destaque o século XXI e olhando para o futuro e para as repercussões da Quarta Revolução Industrial. Verdade ou Consequência pode ser visto entre 6 e 16 de Dezembro, no TNSJ.

 

 

Martin Crimp visita, no dia 8 de Novembro, o Teatro Carlos Alberto para uma conferência que terá como moderadora Maria Sequeira Mendes. Há muito tempo que o TNSJ se deixou capturar pela estranha crueldade do seu teatro, em espectáculos de companhias como a ASSéDIO ou o Teatro da Rainha. A conferência, integrada no programa Fórum do Futuro, antecipa o regresso do dramaturgo britânico à programação do TNSJ, em marco de 2019, com a estreia nacional de The Rest Will Be Familiar to You from Cinema, peça que escreveu a partir de As Fenícias de Eurípides.

 

 

 

Em Saber de Mim Sabendo das Coisas, o TNSJ junta-se à Faculdade de Letras da Universidade do Porto para homenagear Maria Velho da Costa. No dia 12 de Novembro, na Faculdade de Letras, conferencistas nacionais e estrangeiros discutem as múltiplas linguagens da obra da escritora. No dia 13, às 18h00, o TNSJ reúne à mesma mesa alguns criadores que construíram obra a partir da obra dela, seja no cinema, como a realizadora Margarida Gil, seja no teatro, como Luísa Costa Gomes e Nuno Carinhas, que em 2012 desviaram o romance Casas Pardas para o palco do TNSJ. Ou Ricardo Pais, que encenou Madame em 2000, peça que o TNSJ reedita em livro, agora na colecção TNSJ/Húmus. Às 21h00, Sara Carinhas dirige Meninas Exemplares, leitura encenada de textos de Maria Velho da Costa protagonizada por Emília Silvestre, Joana Carvalho e Sara Barros Leitão, que serão acompanhadas pela pianista Madalena Palmeirim.

 

 

 

O TNSJ é parceiro da ESMAE (Instituto Politécnico do Porto) na criação de um curso de pós-graduação em Dramaturgia, cuja primeira edição acontece no ano lectivo 2018-19 e que conta ainda com o envolvimento da RTP. A participação do TNSJ na implementação do curso passa pelo desenvolvimento de acções que correlacionam os conteúdos curriculares e a programação do próprio TNSJ, nomeadamente as suas produções, favorecendo o contacto dos estudantes com autores, encenadores e atores, bem como o acesso privilegiado às diversas fases de criação teatral. Do corpo docente da primeira edição desta pós-graduação, dirigida por Jorge Louraço Figueira, fazem parte os encenadores Nuno Carinhas (director artístico) e Nuno M Cardoso (assessor da direcção artística) e o dramaturgista Pedro Sobrado, presidente do Conselho de Administração.

 

 

 

A partir de dia 28 de Setembro, dia de abertura das Jornadas Europeias do Património, as visitas guiadas ao Mosteiro de São Bento da Vitória passam a integrar uma novidade: será possível conhecer a Igreja de São Bento da Vitória, reconhecida pela grande riqueza arquitectónica e ornamental e onde se destacam o retábulo de talha da capela-mor, o magnífico órgão de tubos em talha e o coro alto, com os seus relevos narrativos da vida de São Bento. No seu conjunto, Igreja e Mosteiro constituem o maior edifício eclesiástico da cidade do Porto, construído nos séculos XVII e XVIII pelos monges da antiga Congregação Beneditina Portuguesa. As visitas passam a decorrer duas vezes por dia, às 10:30 e às 12:30, de segunda a sábado. O preço por pessoa é de cinco euros, sendo que crianças até aos 10 anos não pagam, desde que acompanhadas por adultos.

 

Fotografia: Inês D’Orey

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.