A Praça de Touros do Campo Pequeno, em Lisboa, recebeu esta quinta-feira a última corrida de touros integrante do abono desta temporada lisboeta. Lotação Esgotada!

Corrida de Gala à antiga portuguesa que contou, por isso, com cortejo histórico evocativo das touradas reais do século XVIII. Assim, desfilaram os pajens do neto e do cavaleiro, os componentes do “Bando” (timbaleiro e charameleiros), os porta-estandartes, os coches com as respectivas tripulações (cocheiro, sota porta-guias dos cavalos de tiro, moços de tábua e alabardeiros, os porta-guias dos cavalos de combate e o neto.

Momento alto também para os os coches que transportaram os cavaleiros e claro os Forcados num momento sempre apreciado com a mula que transporta as bandarilhas.

Antes da corrida foi entregue o Galardão Prestígio 2019 a António Ribeiro Telles e ainda menção para os 50 anos da realização de uma jornada taurina em Jacarta com cinco corridas de touros que tiveram mais de 100 mil pessoas a assistir.

Lides:

O cartel foi composto pelos cavaleiros António Ribeiro Telles, Rui Fernandes, João Moura Caetano, Ana Rita, Luís Rouxinol Jr. e António Prates e os grupos de forcados amadores de Montemor e do Aposento da Chamusca. Lidaram-se touros da ganadaria António Raul Brito Paes.

António Prates confirmou, esta noite, a alternativa no Campo Pequeno. Por esse motivo, abriu as actuações. Desenhou uma lide em crescendo, perante oponente distraído e com constante foco no que entre trincheiras acontecia, com as reuniões a nem sempre saírem ajustadas, embora o término de lide seja de mérito pelo desenho das sortes, a cravagem e remate das mesmas.

António Ribeiro Telles recebeu bem o seu oponente, que assim que saiu à arena procurou a montada, dobrando-se bem e cravando dois bons compridos. Nos curtos a bitola subiu ainda mais e, de tricórnio colocado e fiel representante da arte marialva, desenvolveu lide de mérito. Os dois primeiros curtos são bem desenhados e resultam ajustados, embora no terceiro não teve tanta beleza e arte. Mas Telles é inteligente e isso percebeu-se na forma como alterou o ritmo no ferro seguinte, que resultou bem. O domínio da montada, por parte de Telles, é um espectáculo dentro do espectáculo. O quinto ferro é de classe e terminou com mais um excelente ferro. O Toureio frontal, de tradição mas intemporal continua a dar cartas. Excelente forma de celebrar a sua 100ª corrida no Campo Pequeno após alternativa.

Rui Fernandes recebeu o touro com sorte de gaiola de nível e partiu para uma lide muito agradável. Bem na escolha de terrenos, as reuniões nem sempre resultaram ajustadas, mas melhorou na parte final da lide com cites em lambada e a elevar o nível da sua actuação nas cravagens. Lide muito positiva do cavaleiro, perante excelente touro, premiado com volta do ganadeiro à arena.

João Moura Caetano desenhou lide com bons apontamentos mas também com um toque totalmente desnecessário na montada. Moura Caetano é toureiro de temple e profundidade e no Campo Pequeno nem sempre o conseguiu, contudo a garra é resiliência acabaram por levar a água ao moinho e a actuação foi positiva, destacando-se as sortes frontais, com ligeira abertura de quarteio e tentativa de cravagem ao estribo.

Ana Rita, depois de muitos triunfos em Espanha, actuou na Praça do Campo Pequeno sendo notória a expectativa por parte do público presente. Uma actuação com som mas com pouca técnica. Dois bons curtos, um violino não cravado e outro pouco ortodoxo. Contudo, o público gostou e aplaudiu fortemente a cavaleira,que culminou a actuação com cravagem de um palmito.

Coube a Luís Rouxinol Jr. encerrar as actuações equestres. Este numa temporada muito positiva e essa motivação notou-se no Campo Pequeno. Dois regulares compridos e uma lide impressionante na ferragem curta. Deu lição de toureio, com tenra idade, demonstrando rapidamente entender o touro, apostando em terrenos adequados, medindo bem distâncias e com as reuniões a resultarem ajustadas. De frente, abrindo quarteio e cravando como mandam as regras. Terminou com dois palmitos.

Pegas:

Forcados de Montemor: António Calça e Pina (primeira tentativa), João da Câmara (primeira tentativa), Francisco Borges (terceira tentativa).

Forcados do Aposento da Chamusca: Francisco Barreiros de Andrade(primeira tentativa), João Saraiva (primeira tentativa), João Rui Salgueiro (segunda tentativa).

 

Touros:

Bom curro de touros, quer em comportamento quer em apresentação, impondo seriedade mas dando possibilidade de triunfo aos cavaleiros e forcados.

Direcção de Corrida:

Corrida dirigida por Tiago Tavares, assessorado por Jorge Moreira da Silva.

 

Texto: Rui Lavrador
Fotografias: Campo Pequeno

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6331 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.