Temporada Música em São Roque celebra 30 anos

 

 

 

É já na próxima sexta-feira, dia 12 de Outubro, que começa a 30ª edição da Temporada Música em São Roque (TMSR), organizada pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

 

Até ao dia 11 de Novembro, Lisboa vai ser palco de 11 concertos imperdíveis, que incluem algumas das orquestras e coros mais importantes do panorama da música clássica portuguesa.

 

A 30ª edição da TMSR volta a ter como director artístico, pela 29ª vez, o maestro Filipe Carvalheiro, e tem início com um concerto do Coro Gulbenkian, que apresentará as “Vésperas de Rachmaninov”, uma obra maior do repertório coral russo.

 

Segue-se o agrupamento Sete Lágrimas, que nos leva à América Latina, África e extremo Oriente, através de um conjunto de peças baseadas em textos de autores portugueses dos séculos XVI e XVII.

 

O Concerto Atlântico, dirigido por Pedro Caldeira Cabral, apresenta-nos obras do cancioneiro manuelino, enquanto aquele que é considerado o “laboratório de estudo e interpretação de polifonia portuguesa”, a Capella Sanctae Crucis, recupera um “Ofício de defuntos”, esquecido em Coimbra desde o século XVI.

 

Por se completarem 100 anos desde a morte do compositor Claude Debussy, a sua obra será apresentada em realce e em perspectiva no concerto do Trio Pangea e no concerto apresentado por três nomes de destaque: António Rosado, Ana Madalena Ribeiro e Filipe Quaresma.

 

Igualmente em tom de efeméride, o Grupo Vocal Olisipo apresenta, 20 anos depois da sua estreia em S. Roque, a obra de Eurico Carrapatoso “Magnificat em talha dourada”, composta por ocasião das comemorações dos 500 anos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

 

De salientar, ainda, a participação de dois dos mais destacados agrupamentos musicais do panorama português: Os Músicos do Tejo e o Coro Voces Caelestes, que será acompanhado pela Camerata Alma Mater, num programa de compositores austríacos e escandinavos.

 

Poderemos ouvir, também, Domenico e Alessandro Scarlatti, pelo Coro Casa da Música, e, com o objetivo de encorajar o trabalho dos jovens músicos, a Orquestra Geração encerrará o programa deste ano.

 

Os “palcos” dos concertos desta edição serão a Igreja de São Roque, a Igreja do Convento de São Pedro de Alcântara e o Mosteiro de Santos-o-Novo, que, como já vem sendo habitual, vão estar abertos ao público não só para os concertos, mas também para as visitas guiadas que os antecedem. Além disso, este ano há a participação de uma Igreja convidada: a Igreja de Nossa Senhora do Loreto, que comemora 500 anos.

 

À semelhança dos anos anteriores, paralelamente aos concertos vão realizar-se ateliers lúdico-pedagógicos para crianças entre os 4 e os 10 anos, para que os pais possam assistir aos concertos enquanto os filhos aprendem e descobrem alguns pormenores do universo musical.

 

Uma das novidades deste ano é o Ciclo de apreciação Musical intitulado “Ouvidos para a música”, que faz parte integrante da Temporada.

 

Conduzido pelo maestro Martim Sousa Tavares, e com a participação do Ensemble MPMP, o Ciclo, que teve início a 26 de setembro e que termina a 23 de outubro, tem esgotado todas as sessões, tendo neste momento apenas lugares disponíveis para a última sessão (23 de outubro, na Igreja de São Roque).

 

O “Ouvidos para a Música” foi pensado para guiar o público num périplo à descoberta da música clássica, explicando os seus significados e segredos e quebrando barreiras entre a música, a arte e a vida quotidiana.

 

Para consultar a programação completa e obter mais informações sobre a Temporada, clique AQUI.

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 10/10/2018


About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

_