Teresa Tapadas e António Pinto Basto levam o Fado ao Casino Estoril

O Lounge D do Casino Estoril recebe mais uma grande noite de fado. Referências do meio fadista, António Pinto Basto e Teresa Tapadas apresentam-se, na Quarta-Feira, 16 de Março, a partir das 22:00, no Casino Estoril.

 

Nesta noite os fadistas serão acompanhados por Diogo Lucena Quadros e Bernardo Romão, nas guitarra portuguesa, e Luis Roquette, na viola.

 

 

A carreira de António Pinto Basto assumiu um cariz profissional no início dos anos setenta, período em que efectuou numerosas actuações pelo País. Mas foi, apenas, em 1988 que editou o seu primeiro disco, intitulado “Rosa Branca”. Em 1996, o artista gravou “Desde o Berço”. A convite de João Braga, em 2000, integrou o grupo “Land of Fado. O meio televisivo também faz parte do seu percurso profissional. Em Outubro de 2000, a convite de João Braga, assumiu as funções de apresentador do programa televisivo “Fados de Portugal”, na RTP. Posteriormente, António Pinto Basto lançou o projecto Quatro Cantos ao lado de Maria Armanda, Teresa Tapadas e José da Câmara.

 

 

Com um cariz revivalista, o grupo distinguiu-se, desde logo, pela interpretação de grandes êxitos da história do Fado, os quais foram já registados em CDs e DVDs.

 

 

Teresa Tapadas não é um caso clássico de alguém que, no berço, já sonhava ser fadista. Quis ser hospedeira de bordo, fez um Curso Superior de Gestão, cantou no Coral da Igreja, fez parte do Rancho Folclórico de Riachos, no Ribatejo, onde ainda hoje vive. Mas aos poucos, levada por uma “fadistice” aqui outra ali, o Fado havia de ganhar terreno até traçar o rumo da sua vida. A fadista iniciou a sua carreira em 1994, tendo, no ano seguinte, no Entroncamento, vencido o “Prémio Voz da Revelação do Jockey Bar. Em 1996, foi finalista do programa “Lugar aos Noivos”, da Rádio Voz de Lisboa.

 

 

Em 1997, participou no espectáculo “Raízes Rurais, Paixões Urbanas” e gravou seis temas em CD para apresentação em entrevistas de rádio.  Em 1999, gravou um tema para um CD de Dulce Pontes, e participou no CD “Canções Proibidas: O Cancioneiro do Niassa”. Em 2000, recebeu da Casa da Imprensa e do Jornal de Notícias o prémio de “Voz Revelação do Fado”. Já com um percurso consolidado, Teresa Tapadas editou, em 2012, o álbum de originais “Traços do Fado” e lançou, mais recentemente, o seu terceiro álbum.

 

 

Trata-se de um registo que traz ao público a versão ao vivo do espectáculo que protagonizou, em 2014, no Centro Cultural de Belém.

 

 

A entrada é livre mas apenas permitida a maiores de 18 anos. O fado continua às quartas-feiras, no Lounge D do Casino Estoril, com as actuações de Carolina e Peu Seabra no dia 23, enquanto Silvana Peres e Gonçalo CastelBranco que sobem ao palco a 30 de Março.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.