The Codfish Band em entrevista ao Infocul sobre o novo disco

The Codfish Band tem desde 27 de Maio, em formato digital, disponível “Devils Tongue”. O Infocul entrevistou a banda para descobrir um pouco mais sobre a mesma.

Nas palavras dos The Codfish: “A  história dos The Codfish Band  poderia ser contada pelas Groupies, poderíamos falar de drogas, sexo e rock n´roll! Mas não! Não passou da simples ousadia de quatro músicos, que sem nunca terem dado um concerto junto decidiram gravar um álbum –  “Devil’s Tongue” – e daí saiu nada mais do que Rock,  Rock pesado, sujo, Rock que sabe a rock. The Codfish Band, não surgiu  com o objectivo de ser a banda do bacalhau mas simplesmente uma fusão de um símbolo da gastronomia Portuguesa com  o clássico e tão Português aperto de mão. Porque apesar dos temas serem cantado em Inglês somos uma banda 100% Portuguesa.”

 

 

The Codfish Band é  formada  por Luis Miguel, voz e guitarra. Miguel Ros Rio, guitarra e voz. Nuno Escabelado no baixo e Pedro Kystos na bateria.

 

 

Apresentamos de seguida e na integra a entrevista realizada à banda:

 

 

Como surgiu a ideia de criarem este álbum sem nunca terem actuado juntos?

 

A ideia surgiu durante um jantar, já nos conhecíamos há muitos anos e há muitos anos atrás, deixámos umas músicas por gravar. E durante esse jantar decidimos gravá-las. Mais propriamente, gravar um cd. Um cd para oferecer à família no Natal. Esta foi a ideia inicial. Claro,  mal sabíamos, que estávamos a acordar algo adormecido dentro de nós. Daí para a frente foi queimar etapas, nada de concertos; a prioridade era compôr,  ensaiar e “bora” lá para estúdio gravar um cd de rock.

 

Nunca tendo actuado juntos, o que pode o público esperar dos vossos concertos? O que está a ser preparado?

 

Mais uma vez andamos ao contrário. O cd a sair digitalmente e já fizemos a tournée das Fnacs  Centro e Sul, estamos agora a preparar a visita ao Norte do Pais. O público pode esperar um concerto energético, com muito ritmo e principalmente muito rock.  Quando dizemos que nunca actuámos juntos até terminar o cd, referimo-nos à formação dos The Codfish Band porque já todos nós tínhamos dado concertos em formações diferentes, uns há mais tempo, outros há menos, mas já todos nós demos concertos, portanto não é nenhuma novidade, mas atenção, o facto de não ser novidade, para nós, cada concerto é como se fosse o 1º e o último.

 

 

Como foi a concepção do disco? A recolha de repertório, selecção de temas, compositores?

 

Sem pressões. O repertório foi nascendo à medida que os dias em estúdio passavam. Como disse anteriormente a ideia era gravar uns temas existentes que nunca tinham visto a luz do dia, com o passar dos dias, temas novos iam surgindo e ao mesmo tempo íamos abandonando os temas que deram ideia à gravação deste cd. Mas ainda ficaram alguns. Ao nível da composição de temas novos deixou-se entregue ao Miguel. Hoje olhamos para trás e damos conta da maluqueira que fizemos, ainda por cima tínhamos o tempo de gravação em estúdio contado. Lembro que era um cd para oferecer. Dispusemos de 8 horas cada para gravar 12 temas. Não é fácil nem o ideal, mas demos o nosso melhor e saiu, quanto a nós um belo cd de rock.

 

 

Qual a principal mensagem que este disco pretende transmitir?

 

Podia estar para aqui a dissecar sobre o disco, mas para nós o que este disco transmite é o seguinte; tenhas a idade que tiveres estás sempre a tempo de realizares o teu sonho. No nosso caso, não dos 4, mas de 3 elementos foi  concretizar um sonho com perto de 20 anos. O sonho de estar em estúdio a compor e a gravar um cd. Um cd de originais, um cd nosso com músicas nossas, que agora também são vossas. O concretizar do sonho foi tão bom que decidimos continuar, e já estamos com o próximo bastante avançado e desta vez teremos mais algumas horas para o gravar.

 

 

Como banda de rock, como analisam o actual momento do movimento rock em Portugal?

 

Acho que nunca em Portugal existiram tantas bandas de rock e com tanta qualidade como agora, é engraçado, quanto mais dizem que o rock não vende, mais bandas de rock aparecem.

 

Quais as vossas grandes referências (nacionais e internacionais)?

 

As referências no fundo são fruto da música que cada um de nós ouve… Ac/Dc, Buckcherry, U2, The Cult, Queens of the stone age, Alice in Chains, Soundgarden, Jeff Buckley, The Killers, Joy Division, Jimi Hendrix, Herbie Hancock, Dave Mattews band, Radiohead, Stone Temple Pilots, Beatles, Faith No More..por aí fora…

 

 

Os temas do disco serão todos originais?

 

Sim. Todos originais.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6717 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.