Tiago Bettencourt no Casino Estoril: Muito talento e uma surpresa chamada Carminho

O ciclo de “Grandes Concertos do Casino Estoril” teve ontem, 28 de Julho, o seu segundo espectáculo com o cantautor português Tiago Bettencourt que através de um alinhamento inteligente proporcionou uma agradável viagem pela sua discografia tendo ainda presenteado o público com um dueto com uma das mais aclamadas fadistas nacionais.

Numa óptima noite de verão, Tiago Bettencourt abriu o espectáculo com “Temporal”, tema integrante de “Acústico”, datado de 2012. Tiago Bettencourt conseguiu, duvidas houvesse, logo no primeiro tema mostrar que as suas canções são intemporais e que muito provavelmente daqui a trinta anos ainda serão verdadeiros hits. Para além de extraordinário intérprete, Tiago tem a alma dos grandes poetas e marcará a sua geração do mesmo modo que outros marcaram outrora.

 

 

Viajar pela discografia de Tiago Bettencourt poderá ser prazeroso e ao mesmo tempo viciante. Prazeroso porque a sua escrita mais do que comercial é emocional e consegue com a sua música despertar-nos os sentidos e através das suas palavras sentirmos os aromas da vida, dos amores e dos desamores. Viciante porque torna-se difícil não querer descobrir mais sobre o rapaz que com o seu aspecto tímido nos aguça ainda mais a vontade em descobrir a sua obra.

 

 

Perante casa muito bem composta, Bettencourt interpretou de seguida “Largar o que há em vão” e “Os dias” com o público lentamente a envolver-se cada vez mais no concerto. E se muitas vezes é acusado por alguma crítica de pouco interagir com a plateia nos seus espectáculos, o artista mostrou ontem uma postura diferente. “Boa noite, sejam bem-vindos. Eu sou o Tiago e está é a minha banda” disse no cumprimento ao público, reforçando o “prazer” que é voltar ao Casino Estoril, onde na sua juventude assistiu a muitos concertos de nomes consagrados como Jorge Palma ou Paulo Gonzo, como fez questão de referir. Deixou ainda um recado ao público: “Se por acaso não tocarmos alguma música que queiram ouvir anotem e guardem para o encore”.

 

 

No alinhamento ontem apresentado, Tiago Bettencourt percorreu a sua carreira desde os tempos em que integrava os Toranja até à actualidade. Ora em temas mais melancólicos e em que a sua expressividade corporal ao piano era o reflexo das palavras cantadas ora em temas mais dançantes em que com a viola ou o baixo e sua postura mais firme contrastava, e bem, com as melodias.

 

 

“Canção Simples”, “Maria” ou “Só mais uma volta” serviram como motor para que o público soltasse a timidez e acompanhasse cada vez mais o artista nos refrões e aplaudindo com maior intensidade no final de cada tema. Em “Sol de Março”, o artista português fez questão de informar que tinha escrito este tema num comboio e que “nem sei explicar bem do que fala”. Esta humildade é norma nos grandes artistas, até porque as grandes obras de arte não se explicam, sentem-se.

 

 

E como estávamos no Casino, tempo para “Jogo”, que foi escrita em Porto Covo, e que fez Tiago Bettencourt mostrar uma veia humorística dizendo que esperava um concerto com mais barulho, questionando o público se não iriam “falar do verão ou das férias enquanto nós tocamos”. A resposta foi não, o público não falou durante o concerto, preferindo deixar-se levar pelas palavras cantadas por Tiago e pelas melodias tocadas pela sua banda (que diga-se esteve também em noite inspirada). Seguiram-se temas como “Laços” ou “Sara” antes e chegar uma sequência de temas muito conhecidos como uma recriação de Variações, “Canção do Engate”, “Carta” dos Toranja ou “Morena” que antecedeu breve encore.

 

 

No regresso ao palco a surpresa da noite. A fadista Carminho estava na plateia e foi convidada por Tiago Bettencourt a cantar consigo “Só nós dois é que sabemos” de Tony de Matos. O dueto contou com momentos de improviso mas resultou em pleno, numa partilha de afectos e de amor pela música, entre dois artistas que se admiram.

 

 

Segundo momento alto do encore surge com Tiago ao piano a interpretar “Pagar o que não fiz”, uma canção de revolta com uma letra absolutamente maravilhosa.

 

 

No segundo espectáculo deste ciclo de concertos no Casino Estoril, Tiago Bettencourt manteve a bitola no máximo, depois de Ana Moura ali também ter brilhado no primeiro espectáculo. A música portuguesa está de boa saúde e recomenda-se e o público tem aderido em massa a este ciclo de espectáculos, que recordamos é de entrada gratuita.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6769 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.