Tiago Machado: “Eu nasci com o dom de compor, e não digo isto para me envaidecer”

Tiago Machado

 

“Soundlapse” é o novo disco de Tiago Machado, conhecido compositor, produtor e um exímio pianista. Conhecido pela composição de temas para nomes consagrados do panorama musical português, apresenta agora o primeiro disco em nome próprio e que conta com a participação especial de Mariza.

 

 

 

Quando nasce o seu gosto pela música?

 

O meu pai é músico, então tive acesso a instrumentos musicais muito cedo, o que me permitiu descobrir essa paixão muito novo .Comecei a tocar como autodidata aos seis anos de idade.

 

 

Ao longo do seu percurso académico quais os músicos que o foram inspirando?

 

Tinha muitas inspirações, a começar pelos excelentes professores que tive na EMCN, Carla Seixas, Leonor Alvim,  Eurico Carrapatoso, João Pedro Santos, Luís Pinto, entre outros. Através destes mestres, tive oportunidade de conhecer obras fantásticas de música clássica que me abriram os horizontes musicais. Em simultâneo adorava estudar jazz tirando solos de pianistas como: Michel Petrucciani, Keith Jarret, Gonzalo Rubalcaba, Herbie Hancock, Bernardo Sasseti, Mário Laginha.

 

 

 

É maioritariamente conhecido pelas composições que tem feito para  artistas consagrados. O facto de eles confiarem em sim é uma motivação ou uma enorme responsabilidade?

 

Eu nasci com o dom de compor, e não digo isto para me envaidecer.   É muito fácil para mim criar uma música. Obviamente que considero cada obra um desafio, pois tenho sempre de imaginar a voz do artista na minha cabeça e o estilo musical para qual componho. É uma grande motivação para mim, poder trabalhar com artistas consagrados.

 

 

 

Este é o seu primeiro disco. Já tinha havido oportunidade de lançar um disco antes ou preferiu esperar por este momento?

 

Para mim tudo tem o seu tempo. Eu preferi esperar até me sentir preparado a nível musical e emocional. As experiências que já tive com outros artistas quer como compositor ou produtor, ajudaram-me imenso a abrir o meu leque sonoro, o que facilitou também o processo deste Soundlapse.

 

 

 

 

Qual a principal  mensagem que tenta transmitir neste disco?

 

Emoções, muitas emoções. Este disco “fala” de vários sentimentos, de momentos que passei e passo. Os sentimentos são generalistas, logo qualquer ouvinte pode se integrar nestas histórias musicais e ser também o personagem principal.

 

 

 

A presença de Mariza era quase obrigatória depois dos sucessos que alcançaram juntos em “Ó gente da minha terra” ou “Melhor de Mim”?

 

Sim, sem dúvida. É um privilégio poder contar com a participação de uma artista desta dimensão no meu primeiro disco. Nós já temos um historial de sucesso, e para abençoar este disco, tinha de contar com a Mariza.

 

 

 

Em termos de gostos musicais, o que agrada a Tiago Machado?

 

Eu sempre gostei de vários géneros musicais, logo as minhas referências são variadas, mediante o estilo musical apresentado. Costumo dizer que gosto de tudo o que acho bem feito. Na minha área gosto de ouvir pianistas como: Michel Petrucciani, Keith Jarret, Gonzalo Rubalcaba, Brad Mehldau, Herbie Hancock, Hiromi Uehara.

 

 

 

 

 

Como foi o processo criativo deste disco? Já havia temas compostos ou foram todos feitos propositadamente para este disco?

 

O disco chama-se Soundlapse, pois quis fazer uma comparação à técnica de imagem time-lapse, onde há uma concentração de imagens num só momento. Eu adaptei este nome ao som , mas também ao flashback do que é a nossa vida e consequentemente a músicas que fui criando ao longo do meu percurso musical.

 

 

 

Qual foi o tema mais desafiante para si neste disco?

 

Todos eles são desafiantes, mas eventualmente o tema que tem mais diversidade de emoções e diferentes interpretações, é o tema Insomnia, o que o torna o mais desafiante.

 

 

 

Se tivesse que fazer uma apresentação ao público sobre quem é Tiago Machado, o que diria?

 

Sou um homem simples, feliz e concretizado. Tenho uma família que me apoia muito, tenho amigos que prezo muito, e sempre que possível gosto de ajudar os outros.

 

 

 

Relativamente a este disco, o que está a ser preparado em termos de  promoção e espectáculos?

 

Ainda estou numa fase inicial, estou à espera da aceitação do grande público a este disco, e quero fazer as coisas com calma. O feedback dos ouvintes é muito importante para mim. Obviamente que vou fazer algumas Fnacs, entrevistas de televisão e rádio, e uma apresentação do disco num espaço a designar.

 

 

Para quem quiser interagir consigo e saber as novidades, onde pode encontrá-lo?

 

Podem encontrar-me no Facebook em soundlapsetiagomachado . Eu tento sempre responder a todos os ouvintes, é muito importante para mim.

 

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6784 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.