Tim desvenda um pouco do seu concerto no Coliseu do Porto em Novembro

tim_nl2

 

Quando se apresentou ao vivo no Sol da Caparica em nome próprio e aproveitou a ocasião para gravar as canções que agora se prepara para levar até ao Coliseu do Porto, Tim fê-lo num contexto muito especial.

 

 

O músico e vocalista subiu ao palco principal do festival durante os três dias da sua duração: no primeiro dia  tocou com os companheiros da Resistência, no dia de fecho com a sua banda de sempre, os Xutos e Pontapés, e no dia do meio, pegou numa mão cheia de canções especiais, num punhado de amigos e entregou-se à multidão com o coração cheio.

 

 

Para além das minhas canções”, explica Tim, “que era o que as pessoas já esperavam, peguei em alguns temas especiais, como o “Lisboa” dos Tara Perdida. E foi importante. Esse foi um tema que eu cantei algumas vezes com o João Ribas em palco e também o interpretei com o novo vocalista dos Tara Perdida já depois do João desaparecer. Durante algum tempo não fui capaz de me voltar a aproximar dessa canção que tem uma carga emocional muito forte. Gosto muito desse tema e cantá-lo na Caparica representou o fim de um luto”, confessa o músico que se diz ansioso por voltar a interpretar esse tema na Invicta.

 

 

Há mais histórias nestas canções”, alerta, apontando depois para “A Estrada”: “Esse foi um tema que eu ofereci aos Xutos num CD que gravei em casa e que copiei para oferecer a cada um dos meus companheiros. A canção acabou por nunca sair desse CD. E quando eu andava a juntar material para o concerto do Sol da Caparica lembrei-me dessa canção e resolvi voltar a pegar nela. Resultou tão bem que a usei para abrir o concerto.

 

 

Porque um concerto também é uma estrada que se percorre e às vezes nem sabemos bem onde nos leva”, confessa o músico.

 

 

Para já, sabemo-lo bem: estas canções vão levar Tim ao Porto, para um concerto no Coliseu, que tanta história carrega dentro. Vai ser a 3 de Novembro e Tim promete mostrar aquilo de que é feito: de canções.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6756 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.