Noiserv celebra 13 anos de carreira e assume: “gosto de aceitar todo o tipo de desafios”

noiserv

 

 

 

David Santos criou em 2005 o projecto Noiserv.

 

Intitulado como Homem-Orquestra, comemora 13 anos de carreira. E se o número 13 está, muitas vezes, associado ao azar, para Noiserv parece ser de sorte tal o reconhecimento que tem tido ao longo do seu percurso.

 

O músico vai celebrar os 13 anos de carreira no Teatro Tivoli BBVA, a 5 de Abril pelas 21:30, mas antes concedeu uma entrevista ao Infocul onde aborda o percurso, o espectáculo comemorativo e também a música em Portugal.

 

No seu currículo, Noiserv conta com o álbum de estreia “One Hundred Miles From Thoughtlessness” (2008), o EP “A Day in the Day of the Days” (2010) e o galardoado “Almost Visible Orchestra” que, no início de 2014 foi distinguido como Melhor Disco de 2013 pela SPA, Sociedade Portuguesa de Autores. Em 2016 editou “00:00:00:00”, que é descrito como “a banda sonora para um filme que ainda não existe”.

 

 

 

3 anos de carreira serão celebrados num concerto no Teatro Tivoli BBVA. Qual o balanço que pode já ser feito deste percurso?

 

Um balanço muito positivo. Acredito que dificilmente poderia ser melhor. É uma caminhada difícil, cheia de ambições e obstáculos mas que felizmente tem sido sempre crescente. Sinto que cada vez mais pessoas ouvem as minhas músicas e que cada vez mais pessoas gostam, é tudo o que um músico pode querer.

 

Lembra-se de onde foi e como correu o seu primeiro concerto?

 

Lembro-me perfeitamente, foi a 19 de Março de 2005 no Contagiarte no Porto. Estava muito nervoso mas também ansioso por conseguir tocar as músicas que tinha ensaiado!

 

O que mudou e o que se manteve em Noiserv durante estes treze anos?

 

Mantém-se o sonho de fazer músicas que façam parte da vida das outras pessoas. Acredito que pouca coisa mudou, mas estou mais velho e já tive tantas e boas experiências que não me vejo a fazer outra coisa na vida. Há 13 anos não acreditava que isso fosse possível.

 

Para este concerto, o que está preparado e o que pode o público esperar?

 

Ainda estou a prepará-lo. Mas gostava de tocar todas as músicas que considero relevantes nestes 13 anos.

 

Em termos de discografia o que está a preparar?

 

Ando a começar a composição de um novo disco.

 

Quais os grandes projectos que tem em mente para 2018?

 

O grande projecto será o novo disco, embora ainda não consiga ter um prazo definido. Estou também a terminar a banda sonora de um filme/documentário sobre o Eduardo Lourenço.

 

Como analisa o actual momento da música portuguesa?

 

Momento incrível. Nos últimos 20 anos não me lembro de outro momento assim. Há música por todo o lado e de altíssima qualidade.

 

O mercado nacional está sobrelotado?

 

É capaz. Mas será isso mau? A verdade é que os portugueses têm pouco o hábito de ver concertos comparando com outros países. Talvez não haja música a mais, mas sim público a menos que tem de ser conquistado!

 

Em tempos, numa critica a um espectáculo seu, foi escrito que Mozart (caso fosse vivo) gostaria certamente de dialogar musicalmente consigo. Como encara esta afirmação?

 

Não conhecia, mas é muito gira. Fico contente por este elogio.

 

Quem são as suas grandes referências?

 

A palavra referências parece-me sempre muito forte, existem apenas alguns músicos que oiço mais que outros, a destacar: Radiohead, Explosions in the Sky, Sigur Rós, Sufjan Stevens, etc…

 

Se tivesse que se descrever enquanto músico, como o faria?

 

É um pouco complicado responder a esta pergunta, mas talvez dissesse que gosto de aceitar todo o tipo de desafios, pois acredito que dessa forma consigo sempre melhorar. Sou um admirador de sons independentemente da sua fonte.

 

Onde pode o público interagir consigo nas redes sociais?

 

Há várias hipóteses, mas a mais directa será o facebook.

 

Qual a importância das redes sociais no seu trabalho?

 

São muito importantes para divulgar o que vou fazendo, a par da minha mailing-list são das poucas ferramentas de ligação directa este mim e quem gosto do que faço.

 

Dedica muito tempo às redes sociais?

 

Sem grandes excessos gosto de manter alguma actividade. Gosto de pelo menos numa delas: Instagram ou Facebook ou Twitter, publicar algo com uma média de 2 em 2 dias.

 

Qual a mensagem que quer deixar aos leitores do Infocul?

Para aparecerem no dia 5 de Abril no Teatro Tivoli BBVA para verem o meu concerto (sorri)! E sempre que puderem, apoiem a música portuguesa.

 

O concerto de Noiserv no Teatro Tivoli BBVA vai acontecer no dia 05 de Abril, pelas 21:30. Os bilhetes têm um custo que varia entre os 10 e os 15€.

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 14/03/2018


About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

_