Gabriela: “Este EP carrega as minhas vivências, sentimentos e o olhar sobre o que me rodeia”

Gabriela: "Este EP carrega as minhas vivências, sentimentos e o olhar sobre o que me rodeia"

Gabriela: “Este EP carrega as minhas vivências, sentimentos e o olhar sobre o que me rodeia”, disse a artista ao Infocul.pt, sobre o seu EP.

Aos 25 anos de idade, Gabriela lança o seu primeiro EP, intitulado “Respira”.

Um trabalho discográfico que é fruto das vivências e do olhar da artista sobre o que a rodeia assim como sobre si própria, num ambiente ora mais intimista ora mais rico em instrumentação. 

Natural do Porto, vê na cidade uma fonte de inspiração assim como nas cidades novas por onde viaja e dos palcos que tem pisado.

Tem dois amores, a música e o teatro. Com apenas seis anos ingressou na Academia de Música de Vilar do Paraíso, em Gaia; fez o ensino secundário na Academia Contemporânea do Espetáculo, desenvolvendo competências na área do teatro e artes performativas e licenciou-se em Canto Jazz pela ESMAE (Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo).

Ao Infocul.pt, concedeu uma entrevista na qual dá a conhecer o seu trabalho e também o seu percurso.

Quem é Gabriela e quando surge a ligação à música?

Sou cantora, compositora e multi-instrumentista natural do Porto. 
A minha ligação à música surgiu bem cedo, quando comecei a sentir fascínio por filmes e desenhos animados musicais.

Este EP o que pode trazer de novo ao mercado musical português?

Este EP carrega as minhas vivências, sentimentos e o olhar sobre o que me rodeia. As composições de um artista têm sempre um pouco dele, por isso são algo de único. 
‘Respira’ é um EP que tem sonoridades e temas variados para me representar e não tentar ser uma cópia do que já existe. 

Quais foram os maiores desafios na concretização deste projecto?

Os maiores desafios foram encontrar o caminho certo para cada música, saber como iria ficar o resultado final e assim arranjar um fio condutor entre elas e algo que também explicasse como surgi no mundo da escrita e a evolução natural que houve para o público ficar a conhecer-me melhor.

É natural do Porto. A cidade inspira-a?

Claro que sim. Mas qualquer lugar pode-me inspirar assim como o meu estado de espírito. Até algo que poderia parecer banal pode ser o início de uma ideia para uma futura música. 

O que mais destaca no Porto que a leve a se inspirar para a música?

Talvez as ruas, certos cafés, a animação.  Mas sobretudo coisas que vou sentindo associadas a certos lugares. 

Além da música, o teatro faz também parte da sua vida. É uma mulher com dois amores artísticos?

Sim, tenho dois amores artísticos. Mas a música é a minha arte fulcral, onde me debruço de corpo e alma. O teatro fez parte da minha formação, ajudou-me a estar em palco e ainda hoje sinto que é importante no momento de gravar um videoclipe. 

Quem são as suas referências na música?

Como sempre adorei ouvir música tenho várias referências desde os lendários como Michael Jackson, Beatles e Amy Winehouse aos contemporâneos Billie Eillish, Olivia Rodrigo e Tim Bernardes. E claro os artistas nacionais também são uma fonte de inspiração importante para mim tais como Pedro Abrunhosa, Carolinas Deslandes, Rui Veloso. 

Qual a importância da Academia de Música de Vilar do Paraíso no seu percurso?

Entrei na Academia de música de Vilar do Paraíso aos 6 anos e foi onde tive o meu primeiro contacto com o piano. Também ganhei gosto pelo canto ao ter coro. Por isso, foi muito importante para o meu percurso musical e ganhar bases fundamentais para depois mais tarde compor.

Quais os objectivos na música?

Os meus objetivos são ter uma carreira sólida na música, ter um público cada vez maior e continuar a compor e mostrar ao mundo o meu trabalho.

Como define cada um dos temas deste EP?

Diria que é como se houvessem duas facetas: uma com sonoridade mais intimista e outra com mais produção musical. É um EP otimista, pois mesmo a “Seguir Sem Ti” que é sobre a perda tem uma mensagem de força, da capacidade de seguir em frente. E as letras variam entre aquilo que gosto de fazer, o que me rodeia e sentimentos que vou tendo ao longo da vida. 

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

28,673FãsCurtir
12,945SeguidoresSeguir
302SeguidoresSeguir
181InscritosInscrever