Miguel Abellán: “O mundo da tauromaquia começa a aprender-se desde muito pequeno. Desde que o teu avô te agarra na mão e começa a ensinar esta maravilhosa cultura”

Miguel Abellán: “O mundo da tauromaquia começa a aprender-se desde muito pequeno. Desde que o teu avô te agarra na mão e começa a ensinar esta maravilhosa cultura”, referiu em entrevista ao Infocul.pt.

Texto: Rui Lavrador
Entrevista e Fotografia: Miguel Vidal Pinheiro

Miguel Abellán, director do Centro de Assuntos Taurinos de Madrid, concedeu uma entrevista ao Infocul.pt, à margem das exposições de Miguel Caravaca e de Maseda, na Praça de Touros de Las Ventas.

Ontem, na Praça de Touros de Las Ventas, em Madrid, decorreu a inauguração de mais uma exposição (das várias que ali se realizarão este ano), destacando-se a presença do director do Centro de Assuntos Taurinos de Madrid, Miguel Abellán.

O Infocul.pt conversou com Miguel Abellán, abordando a ligação entre expressões artísticas, como são a pintura e a tauromaquia, a importância do regresso da Feira de San Isidro e ainda o impacto económico e social da mesma, na comunidade de Madrid.

Sobre o regresso da feira de San Isidro, Abellán referiu que “fundamentalmente serve para recuperar um sector, como muitos outros, que foi muito afectado com a pandemia. É muito importante recuperar a primeira feira do mundo, a primeira praça do mundo, em que temos a sorte de contar com elas em Madrid“.

30 dias seguidos com touros, uma variada oferta cultural, como são exemplos também as exposições de Miguel Caravaca, Maseda, como são os escultores, debates sobre o mundo do touro, a gastronomia, a moda, entre outras áreas. Tudo o que a tauromaquia aporta à comunidade de Madrid, e tudo aquilo que a tauromaquia representa e onde chega, traz um fluxo económico tremendamente importante. É de facto muito importante em termos culturais e sociais“, explicou-nos.

Recordou que “a última feira de San Isidro que se realizou foi em 2019 e teve um impacto de mais de 70 milhões de euros em Madrid. A isso acresce o turismo que se atrai devido à feira taurina mais importante do mundo, desde franceses, mexicanos, portugueses, conseguindo nós captar um público muito variado de várias zonas do mundo“.

Deu ainda dois importantes factos: “O museu taurino, de Las Ventas, é o 5º museu mais visitado da comunidade de Madrid. A Praça de Touros de Las Ventas, a par do Estádio Santiago Bernabéu, é o monumento mais fotografado em todo o território nacional“.

Sobre a importância de abordar a tauromaquia junto dos jovens, disse-nos que “o mundo da tauromaquia começa a aprender-se desde muito pequeno. Desde que o teu avô te agarra na mão e começa a ensinar esta maravilhosa cultura. É passada de avôs a pais, de pais a filhos, seguidamente irmãos, amigos e por aí fora. O mundo da tauromaquia é universal e culturalmente é idóneo e adequado para todas as idades“.

Abellán defendeu que “a arte é universal, independentemente das expressões que se usem nela. Neste caso estamos a falar de pintura, em acrílico, óleo, aguarela, inspirada no mundo da tauromaquia. E eu creio que se devem reforçar as duas expressões, a da pintura e a da tauromaquia. Artistas tão reconhecidos como Maseda ou Miguel Caravaca demonstram que a arte não tem de ter fronteiras, pelo contrário, não tem de ter passaporte nem identidade. E eles são grandes exemplos, como artistas e como pessoas influentes na sociedade. A tauromaquia continua a influenciar e inspirar artistas conhecidos e alegro-me e celebro que a primeira praça do mundo exponha as suas obras“.

Sobre as expectativas para esta feira de San Isidro, revelou que “a Feira de San Isidro está a ser uma grande feira, começámos muito bem, com boas actuações. Sobre os cartéis, não estão a totalidade das grandes figuras do toureio a pé e a cavalo, faltam Miguel Ángel Perera e Diego Ventura, por situações distintas, mas de resto estão todos.  Hoje [ontem] debuta [nesta feira de San Isidro] Talavante, já actuaram El Juli, Morante, Manzanares, Roca Rey, estou em crer que será uma grande feira e que o público possa desfrutar, sentado no granito da praça“.

Já sobre os maiores desafios actuais do Centro de Assuntos Taurinos de Madrid, referiu-nos que “o maior desafio é continuar a promover e divulgar uma festa que como já disse está viva, junto das personalidades mais influentes deste país. E sobretudo defender uma festa que é do povo, uma festa do povo espanhol e de todos aqueles que participam nela, fora destas fronteiras, como sejam Portugal, França e os países latino-americanos“.

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

28,100FãsCurtir
12,821SeguidoresSeguir
258SeguidoresSeguir
162InscritosInscrever