Sexta-feira, Julho 23, 2021

O Amor Acontece: Joana com guerra em tribunal devido a irmão no lar

O Amor Acontece: Joana com guerra em tribunal devido a irmão no lar

Joana é uma das concorrentes do novo programa da TVI, ‘O Amor Acontece’, contudo tam cá fora uma luta em tribunal a decorrer.

Em Janeiro, Joana falou com Hernâni Carvalho, no programa ‘Linha Aberta‘, na SIC, depois de uma denúncia de maus-tratos ao irmão, André, que tem uma deficiência cognitiva e se encontra no lar A Minha Casa, em Vila Nova de Famalicão.

Neste caso, há uma ex-funcionária do lar a acusar uma antiga colega de amarrar o irmão de Joana á cama, para ir fumar.

Nas imagens emitidas no programa da SIC, é possível ver um homem com os pés amarrados. Manuela, a ex-funcionária em questão e que diz ter-se demitido da instituição por causa desta e de outras negligências, contou no programa que chegou a alertar a diretora do lar.

Eu não sou fumadora, mas as colegas lá fumam. Prender um jovem como quem prende um animal para irem fumar…”, disse à jornalista Joana Corte-Real durante a entrevista no ‘Linha Aberta’.

Elas para virem fumar, para ele não bater nos outros colegas prendem-lhes os pés com atilhos, os braços, que às vezes até ficam marcados”, disse ainda.

Quando vi a reportagem fiquei super-surpreendida. Fiquei mal quando vi que se tratava do meu menino”, disse a a mãe de Joana e do irmão, destacando que “quando vi que o meu menino era o que ficava preso, ai fiquei muito chocada. Não pensei que elas me prendessem o meu menino.

“A diretora disse que ia agir contra a auxiliar, porque simplesmente desconhece qualquer acusação”, disse Joana na reportagem

O que me indignou foi o murro no estômago que eu e a minha familia levámos. Confiámos plenamente na instituição, tanto que a minha mãe cada vez que se tinha de deslocar ao estrangeiro deixou o meu irmão sem qualquer tipo de problemas durante o período de duas, três semanas e, de repente, somos confrontados com uma entrevista destas e depois somos confrontados com as fotos”, acrescentou.

Agora, à TV 7 Dias, a mãe de Joana diz que “era tudo mentira”, e que terá sido a ex-funcionária que denunciou o caso a pratica tais atos.

Foi para incriminar as colegas. Queria fechar a instituição. A Polícia Judiciária teve conhecimento e está quase a provar que foi ela quem amarrou o meu filho”, disse ainda.

A diretora é uma pessoa de confiança e o meu filho é muito bem tratado”, rematou.

Redacçãohttp://www.infocul.pt
Redacção oficial do site infocul.pt

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

23,900FãsCurtir
154SeguidoresSeguir
101InscritosInscrever