Reportagem: Magia de Nuno Santos em vitória tranquila do Sporting frente ao Boavista

Reportagem: Magia de Nuno Santos em vitória tranquila do Sporting frente ao Boavista, este domingo.

Reportagem: Magia de Nuno Santos em vitória tranquila do Sporting frente ao Boavista

Texto: Rui Lavrador
Fotografias: Diogo Nora

Equipas Titulares

Sporting: (3x4x3) Franco Israel; Diomandé, Coates, Matheus Reis (Gonçalo Inácio, 57); Ricardo Esgaio, Ugarte (Tanlongo, 83), Morita, Nuno Santos; Edwards (Arthur, 72), Pedro Gonçalves (Trincão, 57) e Chermiti (Paulinho, 72)

Boavista: (4x3x3) Rafael Bracali; Malheiro, Cannon, Abascal, Bruno Onyemaechi; Seba Pérez, Ibrahima (Masa, 45), Makouta (Vukotic, 89); Salvador Agra (Bruno Lourenço, 45), Ricardo Mangas (Martim Tavares, 69) e Yusupha (Bozenik, 78)

Suplentes

Sporting: Diego Callai, St. Juste, Gonçalo Inácio, Tanlongo, Mateus Fernandes, Trincão, Fatawu e Paulinho.

Boavista: João Gonçalves, Robson Reis, Bruno Lourenço, Bozenik, Masa, Vukotic, Filipe Ferreira, Sasso, Martim Tavares.

O Estádio José Alvalade XXI recebeu, este domingo, 12 de Março, o jogo entre o Sporting e o Boavista para a 24ª Jornada da Liga Portugal Bwin.

O Sporting entrou com foco atacante e ia marcando logo na primeira jogada, valendo ao Boavista Rafael Bracali e a barra da baliza, sendo depois a bola aliviada. Cruzamento de Morita e cabeceamento de Chermiti, com bastante perigo.

O Sporting teve um início de jogo com muita posse de bola e olhos na baliza adversária, embora nem sempre com boas decisões ao nível do passe.

Aos 10 minutos, um grande cruzamento de Nuno Santos, da esquerda, viu Bracali tirar o golo certo a Esgaio, que se preparava para encostar.

Três minutos depois, foi a vez de Chermiti falhar um golo cantado, quando estava isolado e apenas com Bracali à frente, atirando ao lado.

Aos 17 minutos, magia verde e branca com Edwards a romper pela direita, fez um cruzamento atrasado e Nuno Santos marcou um golaço de letra, numa execução técnica de grande qualidade.

Chermiti voltou a ter uma grande ocasião para marcar aos 24 minutos, após passe a desmarcar de Edwards, mas Bracali fez bem a mancha e defendeu a bola, após remate do jovem luso.

Quase a fechar a primeira parte, o Sporting duplicou a vantagem, com Nuno Santos a avançar pela esquerda, a cruzar atrasado e Salvador Agra na tentativa de cortar a bola, a coloca-la no fundo das redes axadrezadas.

A primeira parte prometeu muito inicialmente, mas depois disputou-se muito a meio-campo e com as ocasiões de golo a contarem-se facilmente, tal o diminuído número.

O Sporting beneficiou do facto de ter marcado cedo e isso permitiu à equipa jogar mais devagar e sem a ânsia do golo, já o Boavista teve muita vontade mas pouca efectividade e Franco Israel quase não sujou os calções.

O resultado ao intervalo demonstrava justiça, pela maior capacidade demonstrada pela equipa leonina.

A segunda parte teve o primeiro grande momento através de Esgaio que, aos 52 minutos, flectiu da direita para o centro e aplicou um remate colocadíssimo que só a barra da baliza impediu de se gritar golo no estádio.

Aos 59 minutos, o tribunal de Alvalade pediu penalti sobre Trincão, mas nem João Pinheiro nem o VAR consideraram haver falta, após o jogador ser tocado quando ia em direção à baliza. Muitos assobios à equipa de arbitragem.

Aos 62 minutos nova decisão discutível de João Pinheiro ao parar uma jogada de perigo do Sporting, após um jogador do Boavista estar no chão dentro da área. Nova monumental assobiadela.

Cinco minutos depois, soberana oportunidade para Nuno Santos que desmarcado e apenas com Bracali pela frente atirou por cima, ainda de fora da área.

Nem um minuto depois, Nuno Santos tentou uma trivela à entrada da área, mas a bola saiu por cima.

A segunda parte entrou depois numa fase ainda mais morna, com escasso perigo junto das balizas, embora o Sporting com claro domínio de posse de bola e controlo de jogo.

A única excepção foi um remate de Arthur e outro de Morita, embora ambos ao lado, antes de Paulinho fixar o resultado final já em tempo de compensação, ao aparecer bem em frente da baliza e a encostar um cruzamento de Esgaio.

Sporting com vitória segura e justa, perante um Boavista que poucos argumentos demonstrou em Alvalade, muito longe daquilo que já fez esta temporada.

Árbitro: João Pinheiro
Árbitros Assistentes: Bruno Jesus e Luciano Maia
4º Árbitro:Fá Sánhá
VAR: Rui Costa
AVAR: João Bessa Silva

Assistência: 27.535 espectadores.

Disciplina: Cartão amarelo a Ricardo Esgaio (20), Masa (76), Diomandé (77)

Golos: Nuno Santos (17), Salvador Agra (Autogolo, 43), Paulinho (90+3).

Siga-nos no Google News

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

31,799FãsCurtir
12,697SeguidoresSeguir
438SeguidoresSeguir
288InscritosInscrever