Samuel Silva (Toiros com Arte) convida aficionados a esgotar as 4 corridas no Campo Pequeno

Samuel Silva (Toiros com Arte) convida aficionados a esgotar as 4 corridas no Campo Pequeno, nesta temporada.

Texto e Entrevista: Rui Lavrador
Fotografia: Nuno Almeida

As empresas Ovação e Palmas e Toiros com Arte apresentaram, na passada terça-feira, os cartéis da temporada tauromáquica no Campo Pequeno.

São 4 corridas: Uma em Julho, duas em Agosto e uma em Setembro.

No final da apresentação, Samuel Silva, da Toiros com Arte, e Luís Miguel Pombeiro, da Ovação e Palmas, concederam declarações ao Infocul.pt.

Sobre quais as maiores dificuldades na construção dos cartéis, Samuel Silva afirmou: “A maior dificuldade foi tentar colocar todos os cavaleiros possíveis e tentar agradar a toda a gente, o que nem sempre é possível. Tentámos fazer um esforço com todas as comemorações que temos, as despedidas, tentar agrupar o máximo de cavaleiros e grupos de forcados possíveis, para que as coisas fiquem rematadas. Sabemos que nem sempre é possível, mas foi o melhor que conseguimos com as limitações que temos de momento“.

Os dois empresários foram questionados sobre o que é necessário para que este conjunto de 4 corridas seja lucrativo.

Sem dúvida que sem lucro, as empresas não conseguem progredir e manter uma temporada com categoria. Mas, acima de tudo, não é a parte financeira que seja mais importante. O mais importante é a imagem que damos perante a tauromaquia e perante os não aficionados. Isso é o principal. Para isso correr bem, teriam de ser quatro casas cheias ou três casas cheias e uma com 3/4“, disse Samuel Silva.

Nesse sentido, Luís Miguel Pombeiro afirmou: “São 4 casas cheias, porque temos preços desde 15 euros, valores que não se praticam nem nas desmontáveis, hoje em dia, ainda são cerca de 1000 bilhetes, portanto não é brincadeira“.

Seguidamente, Pombeiro deixou um recado: “Principalmente aquelas pessoas que se dedicam a dizer mal nas redes sociais, que comecem a apresentar os bilhetes das corridas a que foram. De preferência, mostrando que estão na praça e com o bilhete. Porque a maioria deles falam, falam, mas não vão às praças“.

Assim, também destacou que “nós ouvimos todos os aficionados. Lemos grande parte das críticas, não respondemos, mas temos de ser nós a discernir, porque no fundo nós – Eu, o Samuel e o Jorge – é que estamos a arriscar. A opinião dos aficionados é sempre importante, mas eles também têm, de vez em quando, colocarem-se no nosso papel“.

O empresário Samuel Silva seguiu a mesma linha: “Sem dúvida nenhuma que o aficionado é que vem e enche as praças. E nós escutamos e estamos cá para argumentar, dentro das nossas possibilidades, todas as críticas. Sejam construtivas ou não. Mas, acima de tudo, se a praça não tiver as pessoas expectadas e esperadas, quem paga é a empresa. Não são os críticos. É muito fácil criticar, sentado no sofá, com o dinheiro no bolso, e não arriscar um único cêntimo para a tauromaquia. Percebo que critiquem, eu também critico outras coisas, mas na actual fase em que a tauromaquia está, devíamos estar do outro lado. Não da crítica, mas sim da ajuda. Em termos de sociedade, estamos a passar uma fase complicada a nível financeiro, a tauromaquia não é um bem essencial, e sente isso. Daí, pedirmos a ajuda a todos os aficionados para enchermos as praças, tal como o Luís Miguel acabou de dizer, os bilhetes serão acessíveis a todas as pessoas. Em relação à crítica, é muito fácil criticar no sofá, quando as coisas não são como eles querem. Estamos a falar de humanos, não de máquinas. Em termos de cavaleiros há as suas preferências, as ganadarias de eleição, os amigos. Porém, nem sempre é possível agradar aos cavaleiros, aos aficionados. Tentamos fazer as coisas, o melhor possível, dentro das nossas possibilidades, mas nem sempre é fácil“.

A empresa Toiros com Arte é um dos destaques desta temporada, após assumir a gestão de várias praças importantes, aumentando assim o portefólio comparativamente ao ano anterior. Na maioria delas, em parceria com a Ovação e Palmas.

Por esse motivo, Samuel Silva foi questionado se ele e o seu sócio, Jorge Dias, prepararam-se para as críticas que poderiam advir.

Como humanos que somos, falhamos sempre. Se não for hoje, é amanhã. Se não for amanhã, é depois. Como disse, não somos máquinas, somos humanos. Estamos cá para assumir os nossos erros, estamos cá para assumir as consequências das nossas atitudes. Isto é na tauromaquia e na vida, iremos sempre errar. Temos é de ter humildade de assumir os nossos erros e não o voltar a cometer numa próxima vez. Fazemos isto com o máximo rigor possível, porém nem sempre é possível“, explicou Samuel.

Por fim, questionámos sobre o regresso do cavaleiro Rui Fernandes ao Campo Pequeno, após 4 anos de ausência e se a sua contratação foi difícil.

Samuel Silva foi claro na resposta: “Não, não foi difícil. E não foi difícil por uma simples razão: Foi uma teimosia pessoal minha, pelo apreço que eu tenho pelo Rui e pelo toureio dele. Neste momento, como eu já disse, se temos os toureiros bons cá em Portugal, porque é que eles têm de ir para Espanha? Se temos um toureiro que enche praças em Espanha, porque é que não enche em Portugal? Tem de encher cá, tem de tourear cá. Pode tourear em Espanha, mas cá faz falta. Neste momento a tauromaquia resume-se a 30 ou 40 avaleiros, não podemos deixar “fugir” um cavaleiro para Espanha, quando ele faz falta cá. Tanto faz o Rui, como outros cavaleiros ou cavaleiros de Espanha em Portugal. Sem dúvida, foi uma aposta pessoal minha, assumimos todos os riscos, mas foi muito fácil contratar, porque quando há boa vontade de ambas as partes chega-se a acordo”.

Os cartéis da temporada 2024 no Campo Pequeno:

4 de Julho – 21:45

João Moura Jr.
Marcos Bastinhas
António Telles [filho]

Touros da ganadaria de Murteira Grave

Forcados Amadores de Santarém e Montemor.

8 de Agosto – 21:45

Ana Batista
João Moura Caetano
Manuel Telles Bastos
Duarte Pinto
Andrés Romero
Luís Rouxinol Jr.

Touros da ganadaria Vinhas

Forcados Amadores de Coimbra, Monsaraz e Académicos de Coimbra.

22 de Agosto – 21:45

Rui Salvador
Rui Fernandes
Francisco Palha
Miguel Moura

Touros da ganadaria de António Silva

Forcados Amadores de Évora e Coruche

6 de Setembro – 21:45

António Ribeiro Telles
Luís Rouxinol
Pablo Hermoso de Mendoza

Touros da ganadaria Charrua

Forcados Amadores de  Lisboa

Assim, de forma clara, Samuel Silva (Toiros com Arte) convida aficionados a esgotar as 4 corridas no Campo Pequeno.

Siga-nos no Google News

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

31,799FãsCurtir
12,697SeguidoresSeguir
438SeguidoresSeguir
288InscritosInscrever