Um Teto Todo Seu!

Um Teto Todo Seu! Artigo de opinião assinado por Raul Tartarotti.

Um Teto Todo Seu!

Virgínia Woolf foi considerada uma grande inovadora na escrita literária da língua inglesa, principalmente pelo uso do chamado fluxo de consciência, técnica que alterna o pensamento lógico, com impressões pessoais momentâneas e associações de ideias. E aqui descubro o nome do estilo que mais frequentemente escrevo meus textos. 

Ela não foi a criadora desse recurso, mas o utilizou com muito êxito. Foi uma ensaísta e pensadora revolucionária, que questionou a condição feminina, as regras da família, as questões amorosas e a dificuldade de criar uma obra sendo mulher. 

Seu livro de ensaios mais conhecido, lançado em 1929, é o resumo do que ela acreditava ser fundamental para que uma mulher pudesse se dedicar a qualquer projeto artístico – “Um Teto Todo Seu”. 
Na verdade, a frase completa é: “uma mulher precisa ter dinheiro e um teto todo seu, um espaço próprio se quiser escrever ficção “. 

Ela exerceu grande influência sobre as comunidades feminista e LGBT, bem como à literária, e seu livro foi colocado entre os 100 livros do século, do jornal francês Le Monde. 

Essa aventura vivida por Virgínia, se estabelece novamente nesse novo século que caminhamos, porque ainda observamos como os homens são convidados a acolher suas emoções, a amar, a se feminizar; as mulheres, conhecem ao contrário, um certo empuxo-ao-homem: e em nome da igualdade jurídica são obrigadas a repetir “eu também”. 

Ao mesmo tempo, os homoafetivos, reivindicam os direitos e símbolos dos héteros, como casamento e filiação. 

Que fique claro, que essa descrição não é uma crítica pessoal, somente uma narrativa de fatos. 

Onde paira uma grande instabilidade dos papéis, uma fluidez generalizada do teatro do amor, que contrasta com a fixidez de antigamente. 

O amor se torna líquido, constata o sociólogo Zygmunt Bauman, onde cada um é levado a inventar seu próprio “estilo de vida”, e assumir seu modo de guardar e amar. 
Os cenários tradicionais caem em lento desuso. 

A pressão social não desapareceu, para neles se conformar, mas está em baixa”.
Esse é o pensamento de Jacques-Alain Miller, um dos fundadores da École de la Cause Freudienne (“Escola da Causa Freudiana”) e da Associação Mundial de Psicanálise, onde presidiu de 1992 a 2002. 

Ele escreveu que os estereótipos socioculturais da feminilidade e da virilidade estão em plena mutação. 
Penso que intensamente devemos ser mais perceptíveis a eles, com respeito e senso de coletividade, entendendo suas particularidades e abrangências na sociedade. 

Afinal, se utilizarmos os olhos sem voz, somos todos corpos iguais, o gesto e a alma dão nosso tom profundo de personalidade individual.

Nota: Texto escrito em português do Brasil

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

28,492FãsCurtir
12,914SeguidoresSeguir
294SeguidoresSeguir
176InscritosInscrever