COVID-19: PSP encerra bares e cafés em Loures e detém proprietário por injúrias

O Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, através da Divisão Policial de Loures, na madrugada de dia 01 de novembro, pelas 01h20, procedeu ao encerramento de estabelecimentos de restauração e bebidas, por se encontrarem a funcionar em incumprimento às normas restritivas no âmbito da pandemia COVID-19, tendo procedido à detenção de um dos proprietários, pela prática do crime de injúrias aos polícias.

 

Esta ação resultou da sequência das diversas ações de fiscalização que têm sido realizadas na área da Divisão Policial de Loures e Odivelas, tendo como objetivos principais garantir o cumprimento das normas definidas, em especial ao nível do consumo de bebidas alcoólicas na via pública, dos horários de encerramento de estabelecimentos comerciais e de ajuntamentos/concentrações na via pública.

 

Os polícias da Esquadra de São João da Talha procederam ao encerramento de um bar que se encontrava com música em níveis extremamente ruidosos para a vizinhança, tendo ainda no seu interior cerca de 50 clientes a consumir bebidas alcoólicas. No seguimento das ordens dadas pelos polícias no sentido de repor a legalidade, o proprietário do estabelecimento injuriou os polícias que se encontravam no local, pelo que lhe foi dada voz de detenção.

 

Foram ainda levantados os respetivos autos de notícia por contraordenação, por desrespeito às normas impostas no âmbito da pandemia.

 

Presente a primeiro interrogatório judicial, foi-lhe aplicada a medida de coação de termo de identidade e residência.

 

Tem sido público o profundo interesse da PSP em promover ações de sensibilização, visando dissuadir comportamentos irregulares. Antes de executar o inerente campo sancionatório, a Divisão Policial de Loures e Odivelas tem primeiramente optado pela pedagogia, alertando os proprietários e clientes de estabelecimentos para as implicações sérias do incumprimento às normas restritivas no âmbito da pandemia do COVID-19, nomeadamente mediante ações de sensibilização presenciais e a aposição de folhetos nas viaturas.

 

O Comando Metropolitano de Lisboa da PSP considera que estas ações tenderão a reverter incivilidades que ainda são cometidas e que promovem a propagação da COVID-19, pelo que se constituem como uma prioridade em termos de intervenção policial, augurando-se que possam ser suficientemente impactantes, especialmente junto de estabelecimentos com pretensões idênticas, pelo que continuarão a desencadear-se as medidas de prevenção e fiscalização necessárias para reforçar o sentido de segurança da população e a confiança que podem depositar na Polícia de Segurança Pública, sobretudo na atual conjuntura pandémica.