Recusou-se a homenagear Maradona por considerá-lo “violador, pedófilo e abusador” e agora sofre ameaças de morte

D.R.

A jogadora de futebol, Paula Dapena, do Viajes Interrías FF, recusou-se, sábado, a respeitar um minuto de silêncio em memória de Diego Armando Maradona e tem a sua vida transformada num inferno.

Num particular frente ao Deportivo da Corunha, sentou-se e virou-se de costas, quando as duas equipas estavam alinhadas a respeitar minuto de silêncio.

Não fui só eu vítima de assédio nas redes sociais mas também as minhas companheiras de equipa. Por terem as contas públicas começaram a receber mensagens. Para mim chegaram a dizer: ‘Vou descobrir a tua morada, vou a tua casa e parto-te as pernas“, disse ao ‘AS’.

Na realidade, estou um pouco saturada. Entre redes sociais entrevistas… É horrível“, acrescentou.

Primeiro julguei que ia ficar entre os meus seguidores, depois quando a notícia saiu no Pontevedra Viva, porque a minha irmã trabalha lá, acreditei que não iria muito além da província de Pontevedra mas de repente começaram a sair notícias por todo o lado“, explicou.

A jogadora mostra-se perdida e sem saber o que fazer.

“As minhas colegas olharam para mim e riram-se porque sabiam que eu iria fazê-lo. Há poucos dias, quando se assinalou o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, esses gestos não foram feitos. E se não houve um minuto de silêncio pelas vítimas, não estou disposta a fazê-lo por um agressor”, justificou a jogadora sobre a sua atitude.

Neguei-me a guardar esse minutos de silêncio por um violador, pedófilo e abusador. Para ser jogador há que primeiro ser pessoa e ter valores além das habilidades como as que ele [Maradona] tinha, que sabemos que eram qualidades e dotes futebolísticos espetaculares“, rematou.