CCB aplaudiu de pé António Vasco Moraes, fadista com um canto especial

arrowarrow


António Vasco Moraes actuou ontem no Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém (CCB), num espectáculo inserido no ciclo Há Fado no Cais e que tinha como base a apresentação do seu segundo disco, “Silêncio”.

 

Perante um auditório muito bem composto António Vasco Moraes subiu a palco pouco passava das 21:10, logo após os seus músicos o terem feito. Acompanharam António Vasco Moraes, Dinis Lavos na guitarra portuguesa, Jaime Santos na viola e Francisco Gaspar na viola baixo.

 

 

Abriu espectáculo interpretando “O tempo não passa” e “Saudades de Lisboa”, dois temas com letra sua. O segundo, escreveu-o no Aeroporto de Londres, segundo contou ontem em palco. E com fados cuja letra é da sua autoria continuou a brindar o público com boas interpretações, primeiro num tema em que abordava as lembranças e o segundo intitulado “Sombras Negras”, com uma letra muito bonita.

 

 

Nestes primeiros quatro temas acaba-se por notar que António Vasco Moraes tem qualquer coisa de especial no seu canto. Apesar de em alguns momentos lhe faltar a pose fadista, consegue tocar-nos com o seu canto, correcto, afinado e com intensidade nas palavras. Em palco não é indiferente e capta a atenção do espectador. Na sua voz viajamos do Fado tradicional às Marchas, dos compositores antigos aos contemporâneos, sendo que a voz leva-nos para outros lugares como por exemplo os boleros.

 

 

A sua actuação continuou com um “fado que cantámos num teatro musicado, escrito por Tiago Torres da Silva” disse antes de cantar Fado Lisboeta. “Não volto a fazer as pazes” é “um fado muito antigo, mais antigo que todos nós juntos” disse o fadista antes de o interpretar e de acrescentar que “podem dizer isto quando se chatearem com o namorado, namorada, mulher ou marido”, soltando gargalhadas na plateia.

 

 

Neste espectáculo o fadista contou com alguns convidados. Com Maria Ana Bobone, que o acompanhou ao piano, em “algumas palavras de Amália Rodrigues e João Villaret” e depois em “Vai, Não digas Nada”, um tema absolutamente extraordinário, com letra do jornalista Augusto Madureira. Saiu do palco e podemos assistir a outro grande momento. Maria Ana Bobone ao piano e Dinis Lavos na guitarra portuguesa, interpretaram “Auto-retrato”, com composição musical de Maria Ana Bobone e letra de Rodrigo Serrão.

 

 

A habitual guitarrada não faltou, sendo muito bem interpretada, seguindo-se nova viagem pelos fados tradicionais na voz de António Vasco Moraes. Depois assistiu-se a um desfiar de letras absolutamente lindíssimas, escritas por letristas que dispensam apresentações: “Promessas de Amor” de Ricardo Rosa, “Saudades do Futuro” de José Correia Tavares, “Pressentimentos” de Tiago Torres da Silva ou “Ventura Maior” de António Rocha (também ele fadista).

 

 

O segundo convidado chamado a palco foi Silvestre Fonseca acompanhado por Ricardo Fonseca na viola, Litas Oliveira no baixo e Urbano Oliveira na percussão com o qual interpretou um bolero de Roberto Cantoral. De seguida e saindo de palco, ouviu ser-lhe dedicado “Nem as paredes confesso” magistralmente interpretado pelos instrumentistas.

 

 

Destaque ainda para “Cidade Garrida”, uma marcha que fez o público trautear o refrão, num espectáculo muito bem cantado, tocado e preparado. Não podemos deixar de fazer referência a Luís Santos, responsável pelas luzes. O jogo de luzes foi de grande qualidade a engrandeceu o espectáculo.

 

 

Depois de uma bem-sucedida campanha de crowdfunding, António Vasco Moraes prepara-se para apresentar “Silêncio”, disco que sairá em breve. Depois do concerto de ontem, a expectativa aumentou para acompanhar o trabalho de um fadista que tem realmente algo de especial.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6805 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador