Terça-feira, Junho 15, 2021

Llerena: Chacón triunfou, Escribano pintou e El Chorlo agigantou-se

Llerena: Chacón triunfou, Escribano pintou e El Chorlo agigantou-se

O Auditório Cidade de Llerena, também localmente conhecido como Praça de Touros, recebeu este domingo uma corrida de touros.

Casa cheia, dentro das limitações impostas, um ambiente espectacular e muita expectativa para ver os touros da ganadaria Miura.

Esta conceituada ganadaria esteve sem ter reses lidadas na Extremadura durante muitos anos, regressando agora e com isso trazendo uma natural expectativa.

Em praça, para lidar os touros Miura, estiveram os matadores Octávio Chacón e Manuel Escribano. Actuou ainda o novilheiro Jesús Diez ‘El Chorlo’, frente a novilhos da ganadaria Couto de Fornilhos.

Octávio Chacón enfrentou um primeiro Miura, capa negra, bem-apresentado e largo de córnea. Recebeu o oponente por suaves verónicas, com os seus bandarilheiros a cumprirem a função, seguidamente, no tércio de bandarilhas.

Na muleta, Chacón tentou séries maioritariamente pelo piton direito, com o oponente a não ter uma investida franca e várias vezes a tirar a cara da muleta e focando-se no toureiro.

O matador não se intimidou e porfiou, sacando o que de melhor o oponente tinha. Matou à primeira estocada, cortando uma orelha.

O segundo touro da ganadaria Miura a sair à arena despoletou críticas por parte do público, devido ao facto de a rés estar limitada na mão esquerda e denotar clara falta de força. Escribano esteve curto com o capote, limitando-se a parcas verónicas, depois de uma larga afarolada de joelhos em terra.

Nas bandarilhas, o matador puxou a si a responsabilidade e cravou três pares de boa nota, com o terceiro a ser em sorte de violino após quiebro.

Perante um oponente com pouca força, feio de cara, com investida pouco franca, escasso de carnes e com a cara alta, Escribano foi baixando a mão, de modo que o touro humilhasse na investida, mas quase sempre o touro perdia a força e impedia que o toureiro conseguisse sequer uma série de passes. Manuel Escribano esteve, ainda, mal na sorte suprema, apenas matando à terceira tentativa. Foi aplaudido. O touro foi assobiado no arraste.

Para enfrentar o primeiro novilho, da tarde, pertencente da ganadaria Couto Fornilhos, esteve em praça o novilheiro Jesús Diez ‘El Chorlo’. Novilho com pouca apresentação, pouca força, mas com mobilidade e investida alegre.

El Chorlo esteve artístico e templado no capote, com bonitas verónicas mas foi na muleta que mais se destacou. Com a mão direita desenhou bonitas séries,  levando o oponente a humilhar na investida e a crescer durante a actuação.

Destaca-se uma série pela direita, rematada com bonita troca de mãos e com passe de peito pela esquerda.

O jovem mostrou bons atributos e por várias vezes soltou olés ao público e aplausos a cada série. Rematou a faena lidando em curto e em redondo, com classe. Público de pé! Matou à segunda tentativa e cortou duas orelhas.

O terceiro touro Miura da tarde mereceu aplausos na sua saída à arena. Capa negra, alto de cruz, bem rematado de carnes, pecando pela falta de força que posteriormente foi demonstrando.

Chacón destacou-se na muleta, com várias séries por ambos os lados, aproveitando a investida do touro e potencializando o que de melhor o oponente tinha. Chacón é um toureiro de raça e foi através dessa característica e da ligação com o público que potenciou a actuação. Após descabelho, cortou uma orelha.

No capote esteve muito curto e nas bandarilhas, os seus bandarilheiros cumpriram com mérito.

O último touro da ganadaria Miura, desta tarde, coube a Manuel Escribano. Um touro aplaudido na saída à arena e que investia de todo o lado, bem rematado e córnea alta.

Escribano começou por dar espectáculo no capote, com uma afarolada de joelhos em terra e daí partindo para uma actuação que se veio a revelar de muitos quilates.

Nas bandarilhas esteve muito competente e depois elevou, ainda mais, a fasquia na muleta.

Iniciou o tércio de muleta no centro da arena, indo a pouco e pouco encurtando as distâncias e toureando cada vez mais em curto, por ambos os lados e rematando com um desplante que ia correndo mal. Público efusivo e agradado com a actuação. Mal a matar, cortou uma orelha, após descabelho, tendo o touro sido aplaudido no arraste.

Após uma eternidade de espera, pela saída do segundo novilho da ganadaria Couto Fornilhos, El Chorlo rematou a tarde com chave de ouro.

Após estar regular no capote e os bandarilheiros terem sido efetivos nas bandarilhas, El Chorlo armou o taco com a muleta.

Uma actuação por ambos os pitons, sempre em muitas curtas distâncias, com várias séries bem rematadas. Um toureiro de arte, de raça e com traços de genialidade. Mal a estocar, com várias tentativas falhadas, concretizando à quinta.

A praça registou casa cheia, dentro das limitações impostas pela pandemia, com a qualidade artística a agradar ao conclave.

Texto: Rui Lavrador
Fotografias: Rute Nunes e Carlos Pedroso

Rui Lavradorhttp://www.infocul.pt
Jornalista e Director Infocul.pt

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

23,945FãsCurtir
154SeguidoresSeguir
95InscritosInscrever