Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Campo Pequeno: Dom Bastinhas e Senhor Palha com fortes triunfos

Texto: Rui Lavrador


Fotografias: Rute Nunes e Carlos Pedroso

A Praça de Touros do Campo Pequeno inaugurou, esta quinta-feira, a sua temporada tauromáquica. Em praça, estiveram os cavaleiros António Ribeiro Telles, Marcos Bastinhas e Francisco Palha e os Forcados Amadores de Lisboa e Coruche. Lidou-se um curro da Ganadaria de Canas Vigouroux.

Antes da corrida, destaque para a apresentação do projecto ‘Tauromaquia- Património Cultural de Portugal’, com a chamada de alguns notáveis à arena, destacando-se João Soares e Elísio Summavielle.

Trajando casaca verde escura, bordada a ouro, António Ribeiro Telles abriu corrida frente a um touro rematado de carnes, boa apresentação e córnea larga e alta. Em termos de comportamento, o touro desde cedo mostrou-se distraído, mais atento ao que se passava na trincheira e bancada do que no cavalo e cavaleiro.

Frente a um oponente que pouca ou nenhuma emoção trouxe, Telles teve de se esforçar e tentar colocar sentimento. Uma actuação apenas regular e que valeu pelo esforço, mas sem brilhantismo. O terceiro ferro curto, com cite frontal, após brega de qualidade, foi o que de melhor se viu. Algumas passagens em falso retiraram, ainda mais, brilhantismo.

Pelos Amadores de Lisboa, foi à cara o forcado Vítor Epifânio. Antes, brindou ao grupo de Coruche, na pessoa do Cabo José Tomás. Uma pega efectivada ao primeiro intento, com o forcado a fechar-se bem, tendo o grupo ajudado com eficácia, perante um touro que ameaçava seguir outra direcção.

Marcos Bastinhas esteve absolutamente soberbo, na lide do segundo touro da noite lisboeta.

Recebeu o oponente à porta gaiola e começou logo a triunfar na cravagem dos compridos, com dois de boa nota, em reuniões de qualidade. Nos curtos, aumentou ainda mais o nivel e todos os quatro ferros cravados foram de nota muito elevada, destacando-se os dois últimos, citando em levada, reunindo correctamente e rematando as sortes. Actuação triunfal, perante um touro bem rematado, com excelente apresentação e que apresentou boas condições de lide, quer na mobilidade quer na investida.

António Tomás efectivou ao primeiro intento e esteve extraordinário. O touro arrancou com velocidade e o momento da reunião foi impactante. Aguentou derrotes, o touro tirou a cara do grupo, quando este quase fechava a pega, continuando o forcado da cara a aguentar e o grupo a responder rápido.

Francisco Palha vinha de um memorável triunfo em Huelva e o Campo Pequeno apresentava-se como prova de fogo. Brindou a lide à sua mãe e recebeu o touro com uma sorte de gaiola muito bem conseguida, com extraordinário remate da sorte. No segundo ferro comprido, citou de praça a praça, cravando bem, menos correcto que o anterior, rematando igualmente bem. Na cravagem curta, destaca-se a excelente brega, uma acertada escolha de terrenos e depois o desenho das sortes. Palha esteve com emoção, com técnica, com raça e o risco que, quando está bem, imprime às suas actuações. Uma actuação de grande qualidade.

João Varanda, do grupo de Forcados Amadores de Lisboa, brindou a pega a João Soares e Elisio Summavielle. Bem a citar, a mandar e a reunir, com o grupo de Lisboa a estar bem e a concretizar à primeira tentativa.

António Ribeiro Telles esteve num patamar bem superior, qualitativamente, na sua segunda actuação. O cavaleiro ribatejano mostrou a sua extraordinária capacidade de lide e proporcionou um compêndio de toureio, ao longo de toda a actuação. O oponente mostrou, comparativamente, ao primeiro do seu lote, mais qualidades e com isso saiu a ganhar o cavaleiro.

Bem apresentado, com trapio e a investir, este quarto touro da corrida. Telles, destacou-se na cravagem curta, com dois ferros de boa nota, no habitual estilo clássico.

Miguel Raposo concretizou a pega ao segundo intento. No primeiro, não aguentou os derrotes e acabou por sair da cara do touro, com um outro forcado a sair lesionado. Na segunda tentativa, com o grupo mais em cima, concretizou sem aparente dificuldade.

Marcos Bastinhas enfrentou um touro reservado e com querença em tábuas. Desde início que o Canas Vigouroux demonstrou essa querença. Marcos foi desenhando uma lide de muito mérito e conseguiu mesmo o ferro da noite, o primeiro curto, citando de largo, fazendo forte batida ao piton contrário e crava do em terrenos curtos, conseguindo rematar bem. Público explodiu num efusivo aplauso. Cravou mais 3 curtos de boa nota, mantendo a actuação num patamar muito positivo. Pecou, apenas, em aceder ao público na cravagem do par de bandarilhas. O touro estava já cerrado em tábuas e acabaou por ficar apenas meio par.

Duarte Mira pegou ao primeiro intento. Bem a citar o touro, a mandar e a reunir, aguentando na cara do touro até o grupo fechar por completo.

Francisco Palha desenhou uma segunda lide de boa nota, porém de pouco impacto junto do público (sem motivo aparente), ou pelo menos sem o louvor que lhe era merecido. O cavaleiro luso recebeu com uma sorte gaiola bem desenhada, prosseguindo a actuação em tom muito positivo, destacando-se dois curtos de muito boa nota. Um toureio alegre, de risco e emoção.

João Prates brindou a pega a Fernanda Velez, deputada do PSD. Efectuou ao primeiro intento, após fechar-se bem na cara do touro e o grupo rapidamente ajudar.

A corrida terminou com Palha e Prates a chamarem todos os restantes artistas à arena, numa bonita demonstração de união.

A temporada inaugurou em grande na Praça de Touros do Campo Pequeno, com Bastinhas e Palha a destacarem-se e a marcarem importante posição qualitativa. O curro de Canas Vigouroux esteve muito bem apresentado, com 4 dos seis touros a proporcionarem boas lides aos cavaleiros.

O público marcou presença em bom número, embora sem esgotar a totalidade da lotação permitida.

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

23,900FãsCurtir
154SeguidoresSeguir
109InscritosInscrever