Segunda-feira, Agosto 2, 2021

Em 2020 vendeu-se menos Viagra e os portugueses fizeram menos sexo

O Correio da Manhã noticia, hoje, a quebra na venda de Viagra, também conhecido como comprimido azul, que trata a disfunção eréctil.

Segundo o CM, foram vendidas menos 63637 embalagens nas farmácias comunitárias portuguesas.

Segundo os dados disponibilizados pela Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) ao CM, em 2020 venderam-se 649899 embalagens. O número representa uma quebra nas vendas na ordem dos 9% por comparação a 2019. Neste ano foram vendidas 713 536 caixas de Viagra – mais 13 mil do que em 2018.

Podíamos estar a falar de uma quebra por já existirem muitos genéricos do Viagra, mas não é o caso, até porque esses medicamentos invadiram o mercado já há uns cinco anos e, se assim fosse, em 2019 a comercialização do Viagra não tinha aumentado, como aconteceu. Temos de olhar para 2020 e lembrarmo-nos do confinamento”, disse Rui Nogueira, médico de família, acrescentando que o Viagra carece de receita médica e por isso “é preciso que as pessoas vão ao médico, o que também não tem acontecido porque a população tem medo e desvaloriza o problema”.

Já a psicóloga e sexóloga Vânia Beliz refere que “há muitos casais que perdem a libido por isso. Aliás, ao contrário do que se pensa, os homens não estão sempre prontos para a ação, como se costuma dizer. Quando estão stressados, não conseguem desligar desse estado tão rapidamente como as mulheres“.

A falta de privacidade tornou-se uma realidade e há pessoas que não conseguem, nem gostam, de fazer sexo sabendo que os filhos estão em casa. Em vez disso, veem filmes, fazem jogos, conversam mais. Tenho casais que me confidenciam, em consulta, que há anos que não se sentiam tão próximos, com tanta intimidade com o parceiro, como agora”, acrescentou.

Rui Nogueira recorda que o consumo de antidepressivos e ansiolíticos (remédios para tratar a ansiedade) aumentou no ano passado e que um dos efeitos secundários é a perda de apetite sexual. “Pode estar relacionado”, diz.

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

23,900FãsCurtir
154SeguidoresSeguir
102InscritosInscrever