Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Filipe Martinho “rebenta” com a Moita

Filipe Martinho “rebenta” com a Moita
Foto: João Silva / Tauroleve/ Instagram

A tradicional novilhada da feira da Moita decorreu durante a tarde de ontem com uma boa moldura de público.

É de extrema urgência e importância que as todas localidades com escolas taurinas tenham estas novilhadas, para a apresentação dos jovens alunos e para a existência de intercâmbios com outras escolas e outros novilheiros. Só assim o circuito movimenta!

A tarde iniciou com atuação de Diogo Oliveira perante um novilho de Canas Vigouroux com 320kg. 

Na lide apresentou bons modos, principalmente no que é a base do toureio equestre ou seja na equitação. 

Cravou um terceiro curto bem marcado ao pitón e um quarto curto em sorte frontal, mostrando com clareza, os vários anos aos quais se dedica ao toureio a cavalo e à equitação.

João Dias não tão rodado como o anterior cavaleiro, mas com uma claque de apoio nos tendidos, como dá gosto ver nas novilhadas!

Deixou como seu melhor momento o quarto curto cravado com cite terra a terra e entrada de frente no novilho de Cunhal Patrício (375kg).

As duas pegas da tarde estiveram a cargo dos jovens Forcados Amadores do Aposento da Moita com a primeira pega a ser consumada na primeira tentativa e a segunda pega à segunda tentativa e a aguentar um derrote por alto. Foram à cara João Freitas e Zé Mari Duque.

A parte apeada da novilhada teve Juan Alonso como primeiro novilheiro a lidar um novilho de Jorge de Carvalho de 360kg. 

Iniciou com verónicas e meia verónica e de muleta só permitiu uma série de derachazos com passe de peito no início da faena.

Gérman Vidal “El Melli” também optou por receber à verónica rematando com meia o Passanha. Este novilheiro entregou o tércio de bandarilhas à sua quadrilha tal como Juan Alonso. Na muleta, “El Melli” apenas deixou como aspeto positivo da sua lide, uma serie de derechazos rematados de peito na parte final da lide.

Filipe Martinho foi a emoção da tarde e sem margem para dúvidas quem marcou toda a novilhada!

Aqui permita-me o leitor que minhas palavras transbordem emoção, porque o toureio apeado sem emoção perde o sentido!

Filipe Martinho tem uma estética e uma raça, como dificilmente se vê na juventude de hoje. Andamos a criar jovens com proteção em excesso e ver um jovem que ao receber o novilho de joelhos no chão, sofre um violentíssimo embate, embate este com uma brutalidade tremenda, sem sequer proteger-se ou fugir é de uma hombridade tremenda. 

Quando tal situação acontece e ainda volta à arena e realiza mais três largas cambiadas de joelhos no chão, isto é de um valor que não há palavras que cheguem para descrever!

Martinho realizou o tercio de bandarilhas com rigor e na muleta seguiu com a mesma vontade, estando por cima do novilho Condessa Sobral (365kg).Toureou por ambas as mãos e a mandar no novilho.

Duarte Silva, não teve pela frente um novilho que lhe permitisse transparecer as suas qualidades. Não é a primeira vez que vejo este novilheiro e nesta tarde Duarte Silva foi condicionada pelo oponente (Santa Maria com 315kg) ainda assim recebeu-o com verónicas rematadas com uma revolera realizou o tercio de bandarilhas com empenho e tentou por ambas as mãos lidar de muleta.

Sergio Sanchez foi o novilheiro que menos memórias deixou, mas estando num caminho de aprendizagem esperamos vê-lo em breve.

Recebeu o último novilho da tarde (Varela Crujo 305kg) com verónicas e revolera. Sanchez entregou o tercio de bandarilha à sua quadrilha e na muleta tentou por ambos os lados mas destacou-se apenas nas manoletinas.

A tarde decorreu com bons modos e entrega de todos os intervenientes, demonstrando a importância das novilhadas no calendário das feiras taurinas. 

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

23,900FãsCurtir
154SeguidoresSeguir
114InscritosInscrever