Sexta-feira, Fevereiro 26, 2021

Associação Fonográfica Portuguesa e a AUDIOGEST aplaudem medida anunciada por Graça Fonseca

AAFP- Associação Fonográfica Portuguesa e a AUDIOGEST – Associação para a Gestão e Distribuição de Direitos, que representam em Portugal Produtores Musicais, consideram o aumento da quota de música Portuguesa na Rádio para o valor de 30% – medida ontem anunciada pela Ministra da Cultura, Graça Fonseca – um passo positivo e importante para setor musical.

João Teixeira, Presidente da Direção da AFP afirma que “Apesar do valor final ficar aquém das nossas expectativas, não podemos deixar de nos congratular com este passo que é dado no sentido certo e que, ao longo de 14 anos, não havia ainda sido tomado”.

Segundo o mesmo responsável “É manifesto o interesse crescente dos Portugueses pela música de artistas e autores nacionais, pelo que faz todo sentido, sobretudo no momento de profunda crise no sector cultural em que nos encontramos, que as rádios intensifiquem a utilização da «nossa» música. Só podemos lamentar que os operadores de rádio não o tenham feito voluntariamente.”

Dado relevante em relação à medida anunciada é o facto de, há mais de uma década, a quota de música portuguesa na rádio que não ser fixada anualmente, como a lei o determina. De facto, desde a implementação de quotas para a música nacional nos serviços radiofónicos, em 2006, tal quota manteve-se ao longo dos anos no valor mínimo legalmente previsto, de 25%, sendo que a lei permite a sua fixação até um limite máximo de 40%.

Numa altura em que os artistas se encontram impedidos de exercer as suas atividades profissionais, e em que o contacto pessoal com o público não pode ser retomado, torna-se relevante e urgente que esse contacto se mantenha e se intensifique através das rádios.

Estas organizações assinalam que a implementação das quotas de música portuguesa nas rádios, não prejudicou as audiências ou as receitas destes operadores (chegando estas até a aumentar sustentadamente) e que, apesar da fixação deste novo valor, o espaço musical preenchido com música nacional fica aquém do que ocorre noutros países europeus.

Miguel Carretas, Diretor-geral da AUDIOGEST enaltece que “Esta medida trará também um impacto positivo direto na distribuição de direitos a produtores musicais nacionais, distribuição essa que sofrerá, inevitavelmente, uma enorme quebra decorrente diretamente do encerramento e diminuição das atividades económicas”, lembrando que “cada vez que uma rádio licenciada pela AUDIOGEST utiliza música estrangeira, o efeito económico é o equivalente a uma importação”.

A AUDIOGEST e a AFP apelam ainda à rápida revisão do regulamento da ERC, datado de 2008, que isenta do regime legal de aplicação de quotas, rádios cujo modelo de programação se baseie no género “Hip-Hop / Rap / Urbana” por, alegadamente, se tratar de um género “pouco produzido”. Tal fundamento, sendo verdade em 2008, não corresponde de todo à realidade atual, em que este género musical tem uma produção muito substancial, e ocupa alguns dos primeiros lugares dos Tops nacionais de consumo de música.

O sector da produção e edição musical tem subsistido, historicamente, sem qualquer apoio estatal, contrastando, neste aspeto, com outras indústrias culturais. As atuais circunstâncias impõem a tomada de políticas públicas que permitam a manutenção desta atividade.

Avatar
Redacçãohttp://www.infocul.pt
Redacção oficial do site infocul.pt

Artigos Relacionados

Sexo no Big Brother? Preservativo encontrado na cama de Quinaz

Gonçalo Quinaz e Jéssica Nogueira têm estado muito próximos e segundo os dados, agora revelados, podem já ter feito sexo dentro da casa do...

Cristina Ferreira: “Isto é tudo muito bonito. Não cai é do céu.”

Cristina Ferreira é o rosto mais mediático da actualidade televisiva nacional. A agora directora de entretenimento e ficção da TVI, além de apresentadora, tem estado...

Comunicação prévia de espetáculos com novos procedimentos. Pagamento de taxas dependente das autarquias

O sector da cultura tem desde o início do ano, um novo procedimento de comunicação prévia de espetáculos e que pode trazer uma possível...

Siga-nos nas redes sociais

23,966FãsCurtir
154SeguidoresSeguir
64InscritosInscrever