Sexta-feira, Junho 25, 2021

Sara Correia é do Fado! Por favor, não os separem.

Sara Correia é do Fado! Por favor, não os separem.

Sara Correia é do Fado! Por favor, não os separem. Reportagem por Rui Lavrador (texto) e Rute Nunes e Carlos Pedroso (fotografias).

O Teatro Tivoli BBVA recebeu, esta sexta-feira, a fadista Sara Correia para a apresentação do disco ‘Do Coração’.

Sara Correia tem-se afirmado como a mais destacada fadista da sua geração e uma das mais destacadas da actualidade.

Este espectáculo no Teatro Tivoli BBVA marcou o regresso aos palcos e ao contacto com o público, após o confinamento, permitindo também a Sara Correia actuar na sua cidade, Lisboa.

Em palco, Sara Correia esteve acompanhada, instrumentalmente, por Ângelo Freire, Diogo Clemente, Marino de Freitas, Ruben Alves e Joel.

Sara Correia esteve muito segura em todo o espectáculo, com uma felicidade contagiante e uma alma maior que o teatro que a acolheu.

A menina de Chelas, como orgulhosamente diz tantas vezes, teve o público consigo ao longo de todo o espectáculo, com as ovações a prolongarem-se cada vez, temas após tema, chegando mesmo, o público, a levantar-se por várias vezes durante o concerto para efusivamente congratular a artista pela performance.

Do Fado tradicional à canção, passando pela marcha, este espectáculo demonstrou toda a qualidade vocal e interpretativa da jovem lisboeta. A afinação, a dicção, o compasso, a alma e a interpretação estiveram num patamar qualitativo superior.

A jovem Sara traz em si o bairrismo de outrora e a vivência dos tempos actuais, sendo neste encaixe entre passado e presente que vai trilhando o caminho que tem tudo para proporcionar um futuro risonho, no Fado e na vida.

É costume, péssimo, alguns fadistas dizerem que “cantaram o seu Fado”. O Fado não é posse de ninguém. Ao invés do Fado de Sara, valorizemos ainda mais a sorte do Fado ter a Sara. Porque nela está muito do futuro deste género musical.

Sara Correia também canta outros géneros musicais, e bem, mas nunca a tirem do Fado! Porque juntos, o Fado e a Sara, saem valorizados.

Este concerto contou com vários factores que permitiram o seu sucesso, com Sara à cabeça, desde os músicos ao desenho de luz, não esquecendo o som.

Destaque ainda para os dois convidados deste espectáculo: António Zambujo e Luís Trigacheiro.

Carolina Deslandes estava anunciada como convidada, mas, devido a estar em isolamento profilático, não pôde estar presente.

O Tivoli BBVA registou boa entrada de público, dentro das limitações impostas, mas não esgotou a totalidade dos lugares disponíveis.

Alinhamento:

Eu já não sei;
Antes que digas Adeus;
Não se demore;
Se o mundo dá tantas voltas;
Tu ganhas sempre;
Chegou tão tarde;
Porquê do Fado;
Dizer não;
Solidão (com António Zambujo);
Por passares;
Fado Português;
Agora o tempo (com Luís Trigacheiro);
O meu bom ar;
Lisboa e o Tejo;
Sou a Casa;
Os teus recados;
Alfama;
Fado Pechincha;
Estranha Forma de Vida.

Encore:

Corrido dos Botões;
Só à noitinha

Notas:Bonita iniciativa do Museu do Fado ao ocupar as cadeiras vazias (devido a regras impostas de distanciamento e lotação das salas) com nomes de personalidades do Fado;
– Agradecer à Universal Music Portugal e ao Teatro Tivoli BBVA as condições facultadas ao Infocul.pt para a realização da reportagem.

Rui Lavradorhttp://www.infocul.pt
Jornalista e Director Infocul.pt

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

23,945FãsCurtir
154SeguidoresSeguir
99InscritosInscrever