Uma tarde com toiros de Madrid

Grande expectativa numa corrida marcada pelo regresso aos ruedos de Gonzalo Caballero, com um historial de valor nesta praça, e dos seus companheiros, Ferrera e Luque, triunfadores em Sevilha.

Uma tarde com toiros de Madrid
Antonio Ferrera no paseillo, em Las Ventas.

A tarde despoletou com um sério girón axiblanco, baixo e bem feito. Mostrou-se poderoso numa sorte de varas em que o cavalo, nervoso, retirou o brilho à sorte. Ferrera lidou, como pôde, um toiro  com algum génio e sem hipóteses de ligar as sortes. E, já no fim, revelou a sua querença nas tábuas del Nueve, sempre distraído. No seu segundo, o mais sério da tarde, esteve hesitante. O de El Torero, pronto e de arrancadas largas, mostrou fijeza e codicia no cavalo. Mas foi de mais a menos. Com algum génio, investidas defensivas e curtas, não permitiu nada a António, que matou ao segundo intento.

Depois de uma verdadeira Puerta del Principe em Sevilha, Luque revelou a sua maturidade numa corrida a que não se propõem as figuras. No seu primeiro, com praça e que se arrancou bem nas duas varas, não teve opções. O toiro, pronto e fijo, não dispunha da cadência que a bravura propicia e Daniel rapidamente lhe deu o fim merecido, ainda algo complicado e somente à segunda tentativa. O quinto toiro da tarde, que lhe competia, foi o de melhor saída de toda a corrida mas revelou pouca força, sendo recolhido. Saiu um sobrero, menos aparatoso, de Montealto. Foi inconstante e pouco fiável, especialmente no tercio de bandarilhas. Luque esforçou-se mas não se enquadrou com o toiro, que tampouco teve a nobreza necessária para o mínimo brilho, e pinchou uma vez mais. Daniel veio a Madrid, somente.

A intenção del Caballero não lhe chegou. Depois de uma faena esforçada e da qual não tiraria quaisqueres louros, pinchou. O toiro, com uma seriedade de Pamplona, não permitiu ao diestro confiar-se, tendo por várias vezes demonstrado sentido e pouca nobreza. Matou com verdade, à segunda. Coube-lhe ainda o último da tarde, o mais pesado. Com la cola a lo alto, revelou sentido desde os primeiros momentos e bravura nos últimos. Gonzalo, com toreria, aproveitou o toiro, levando-o por baixo e humilhado. A lide foi a mais mas não permitiu qualquer prémio nem uma morte fácil, tendo o diestro descabellado.

#Praça de Toiros de Madrid

5ª Corrida da Feira de San Isidro.

Forte entrada de público. (16.291 espectadores)

Toiros de El Torero, de Lola Domecq.

De trapío imponente e madrileño, encastados, difíceis e bravos. 

Sob. Montealto (5º) harmonioso e inconstante.

  • Antonio Ferrera | silêncio e silêncio
  • Daniel Luque | silêncio e silêncio
  • Gonzalo Caballero | silêncio e silêncio

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

28,129FãsCurtir
12,836SeguidoresSeguir
259SeguidoresSeguir
164InscritosInscrever