Terça-feira, Junho 15, 2021

António Zambujo: Apoteose no Campo Pequeno

António Zambujo: Apoteose no Campo Pequeno

António Zambujo: Apoteose no Campo Pequeno, no concerto realizado esta sexta-feira.

A Praça de Touros do Campo Pequeno encheu de público, dentro das limitações impostas, para ver e ouvir António Zambujo.

O cantor alentejano veio a Lisboa integrado no ciclo de espectáculos ‘Santa Casa Portugal ao Vivo’, depois de na semana passada ter actuado no Porto.

Falar deste concerto é primeiramente falar do público. Em 10 anos de reportagens, lembro-me de poucos espectáculos em que o público aplaudisse tão efusivamente um artista.

Desde a entrada em palco de Zambujo, passando pelo final de cada tema e depois na apoteose final, o público foi intenso nas ovações tributadas ao cantor.

E se o público fervilhava após cada tema, António Zambujo fez da sua voz um porto seguro para todos os que ali estavam, com uma constante tranquilidade apaziguadora de corações inquietos e almas acicatadas.

Após recentemente ter lançado um novo disco, António Zambujo baseou o alinhamento na ideia desse disco, Voz e Violão, com maioria do espectáculo a decorrer apenas com o cantor e a sua viola em palco.

Sem fogo-de-artificio, sem pirotecnia, sem excessos para entreter. Falou pouco, apenas para pedir aplauso para os músicos e técnicos prejudicados pela pandemia ao ficarem sem trabalho, mas cantou, o motivo pelo qual as pessoas ali foram.

Foi com simplicidade, sem cair no simplismo, que António agarrou o público durante duas horas. Mais de 30 temas depois e o público queria mais.

A Praça de Touros do Campo Pequeno registou das melhores lotações deste ciclo do Santa Casa Portugal ao Vivo. E Zambujo merece crédito por isso!

Alinhamento:

-Saudades do Brasil em Portugal;

-Carinhoso;

-Visita de Estudo;

-Moda Antiga;

-Pelo Toque da Viola;

-Menina estás à janela;

-Valsa de um pavão ciumento;

-Catavento da Sé;

-Multimilionário;

-Bricolage;

-Zorro;

-Sinais;

-A Rosa (Carolina Picoito Pinto);

-Sem Fantasia (Carolina Picoito Pinto);

-Rosinha dos Limões;

-O Sol do azar;

-Apelo;

-Carolina

-Quatro Luas;

-A Deusa da minha Rua;

-Casa Fechada;

-A Tua Frieza Gela;

-Rancho Fundo;

-Escutando o Universo

-Madera de Deriva;

-Flagrante;

-Lote B

-Lambreta

-Algo Estranho Acontece;

-Pica do 7;

-Foi Deus

Texto: Rui Lavrador
Fotografias: Rute Nunes e Carlos Pedroso

Rui Lavradorhttp://www.infocul.pt
Jornalista e Director Infocul.pt

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

23,945FãsCurtir
154SeguidoresSeguir
95InscritosInscrever